Tecnologia brasileira revoluciona fabricação de cimento
143
Compartilhamentos

Tecnologia brasileira revoluciona fabricação de cimento

Último Vídeo

Pesquisadores da Escola Politécnica da Universidade de São Paulo (USP) têm em mãos um projeto que promete revolucionar o mercado mundial de cimento. Eles criaram uma versão ecológica do produto, que permite dobrar a fabricação sem que seja necessário construir novos fornos e, consequentemente, sem aumentar a emissão do CO2, um dos principais vilões no efeito estufa.

Segundo o professor Vanderley John, um dos responsáveis pelo projeto, foi necessário mudar a composição do material usado para fazer o cimento e, ainda assim, eles conseguiram obter a mesma resistência do produto convencional.

O projeto combina matérias-primas simples com ferramentas e conceitos avançados na gestão do processo industrial. John acredita que o novo processo industrial é capaz de dobrar a produção mundial do cimento de maneira fácil e ecológica.

O cimento tradicional (Portland) é composto por argila e calcário, substâncias que, quando fundidas em um forno sob altas temperaturas, se transformam em um composto denominado clínquer. Os grãos de clínquer são moídos com gipsita (mineral, matéria-prima do gesso) até que tudo vire pó.

"Estima-se que para cada tonelada de clínquer são emitidos entre 800 e 1.000 quilos de CO2, incluindo o CO2 gerado pela decomposição do calcário e pela queima do combustível fóssil (de 60 a 130 quilos por tonelada de clínquer)", diz John.

A solução

A nova tecnologia foi criada com o aumento da proporção de "carga" (filler) na fórmula do cimento Portland ao adicionar dispersantes orgânicos que afastam as partículas do material, o que possibilita o uso de menos água na mistura com o clínquer.

A carga é uma matéria-prima feita com base no pó de calcário e que dispensa tratamento. É exatamente este processo o responsável por mais de 80% do consumo de energia e 90% das emissões de CO2 durante a fabricação do cimento.

Atualmente, a indústria do cimento é responsável por 5% de emissão de CO2 em todo o planeta. Se todas as previsões estiverem corretas, a produção de cimento deve dobrar nos próximos 40 anos (impulsionada pelos países em desenvolvimento), o que faz com que a emissão da indústria salte para impressionantes 20%.

O problema é que, em estudos da década de 70, havia se chegado a uma fórmula que estabelecia a quantidade de carga no cimento para que sua qualidade não fosse comprometida, mas a equipe brasileira descobriu que existem alternativas.

"Em laboratório, foi possível chegar a teores de 70% de filler, sendo que atualmente ele está entre 10% e 30%", diz John. "Com isso será possível dobrar a produção mundial de cimento sem construir mais fornos e, portanto, sem aumentar as emissões".

A equipe de pesquisa já está em contato com empresas brasileiras para firmar parcerias para o desenvolvimento do cimento ecológico em escala industrial.

Você sabia que o Megacurioso está no Instagram, Facebook e no Twitter? Siga-nos por lá.