Se o Brasil é laico, por que temos ‘Deus seja louvado’ em nossas cédulas?
1.406
Compartilhamentos

Se o Brasil é laico, por que temos ‘Deus seja louvado’ em nossas cédulas?

Último Vídeo

Esta sugestão vem diretamente de um de nossos leitores: Leonardo Reis perguntou para nós do Mega Curioso por que a expressão “Deus seja louvado” está impressa nas cédulas do real, já que o Brasil é um país laico.

Para isso, precisamos voltar um pouquinho na História. No começo dos anos 80, a população total do Brasil era de cerca de 120 milhões de pessoas. Dessas, 89% pertenciam à religião católica. Apenas 1,6% das pessoas se diziam sem religião, 6,6% eram evangélicas e 3,1% se identificavam com outras crenças. Por isso, não é de se estranhar que a grande maioria da sociedade não se incomodou com a inclusão da frase em nossa moeda em 1986.

Na época, nós tínhamos acabado de adotar o cruzado, e o então presidente da República, José Sarney, solicitou que o Banco Central imprimisse a expressão na nova moeda. Sarney tomou como base outros modelos econômicos, como o dos EUA, que incluía a expressão “In God we trust” (“Em Deus nós acreditamos”) nas notas de dólares.

Expressão "Deus seja louvado" surgiu em 1986 nas notas de Cruzado

E o estado laico?

De uns anos para cá, a tal laicidade do Brasil está cada vez mais no centro dos debates. Para os defensores laicistas, o fato de a expressão “Deus seja louvado” estar presente em nossa moeda só demonstra como o nosso país ainda é politicamente ligado à religião.

De 1980 até hoje, o espectro religioso mudou. A porcentagem de católicos caiu para 64,6%, de acordo com o censo de 2010 do IBGE. Os evangélicos já representam 22,2% da população, e 5% pertencem a outros credos. O número de pessoas que se dizem sem religião também subiu para 8%.

No Estado laico, nenhuma religião deveria interferir em políticas públicas e sociais. Todos os cidadãos deveriam ser tratados igualmente, independente de sua crença. Oficialmente, o Brasil é um país laico, já que a nossa Constituição prevê a liberdade e a igualdade de credos, além do respeito às diferentes manifestações religiosas.

O que vemos, entretanto, é um número cada vez maior de religiosos em posições políticas, levando seus dogmas para as discussões e decisões em todas as esferas de poder.

Retirada da expressão

Em 2010, o Ministério Público Federal resolveu “comprar a briga” dos laicistas e solicitou que o Banco Central retirasse a expressão “Deus seja louvado” das cédulas de real como forma de contemplar todas as religiões presentes em nosso país. A iniciativa foi do procurador Jefferson Aparecido Dias, que é católico.

A proposta, porém, não vingou. Em 2012, a Justiça Federal negou o pedido do Ministério Público e decidiu que a expressão vai continuar aparecendo em nossa moeda. A juíza Diana Brunstein alegou que a presença do nome de Deus nas cédulas de real não interfere no Estado laico, já que sua simples citação na moeda não induz nenhum indivíduo a adotar qualquer tipo de religião com base no dinheiro.

O ex-presidente da república José Sarney foi o responsável pela inclusão do termo em nosso dinheiro

Na época, José Sarney, então presidente do Senado, disse que o pedido de retirada do termo era “falta do que fazer”. Ele também afirmou ter “pena” dos ateus. Desde então, o assunto foi praticamente esquecido, já que a relação entre política e religião tem criado outros debates mais urgentes dentro da suposta laicidade do Estado brasileiro.

***

E você, caro leitor? O que acha da presença do nome de Deus em nossa moeda? Acredita que o termo fere as definições de Estado laico? Vote em nossa enquete e deixe sua opinião nos comentários.

Você sabia que o Megacurioso está no Instagram, Facebook e no Twitter? Siga-nos por lá.