Por que os papéis de antiga cientista polonesa ainda são radioativos?
6.677
Compartilhamentos

Por que os papéis de antiga cientista polonesa ainda são radioativos?

Último Vídeo

Muitas coleções de bibliotecas precisam de equipamentos especiais para serem observadas, tais como luvas  e salas climatizadas, para proteger os itens de possíveis agressões (involuntárias ou não) do visitante. Porém, nas coleções pertencentes a Pierre e Marie Curie na Biblioteca Nacional da França, acontece o contrário: quem deve ser protegido é o visitante.

Isso porque, depois de mais de 100 anos, muitos dos materiais de Marie Curie — seus papéis, cadernos, seus móveis e até mesmo seus livros de receitas — ainda são radioativos. Aqueles que desejam abrir as caixas revestidas de chumbo com seus manuscritos devem fazê-lo em roupas de proteção e só depois de assinar um termo de responsabilidade.

Breve histórico

Nascida Maria Sklodowska, em 7 de novembro de 1867, em Varsóvia, Polônia, Marie Curie foi a primeira mulher a ganhar um Prêmio Nobel e a única a ser contemplada em dois campos diferentes (Física em 1903 e Química em 1911).

Os estudos de Curie, com seu marido Pierre Curie, levaram à descoberta dos elementos químicos polônio e rádio e, após a morte de Pierre, o desenvolvimento dos raios X. Ela morreu de leucemia em 4 de julho de 1934, doença decorrente da exposição maciça a radiações durante o seu trabalho.

O amor pelo estudo da radiação

Em 1891, Curie saiu de Varsóvia a caminho de Paris, onde deu continuidade a seus estudos na Universidade de Sorbonne. Curie completou seu mestrado em Física em 1893 e ganhou outra licenciatura em Matemática no ano seguinte. Nessa época, ela recebeu uma comissão para fazer um estudo sobre os diferentes tipos de aço e suas propriedades magnéticas.

Ela precisava de um laboratório para trabalhar, e um colega a apresentou ao físico francês Pierre Curie. Inevitavelmente, o romance surgiu, e eles se tornaram uma dupla dinâmica científica. Junto com seu marido e colaborador, Pierre, Marie Curie viveu sua vida inundada de radiação ionizante.

Ela carregava recipientes de polônio e rádio no bolso de seu casaco e os armazenava em sua gaveta de mesa de trabalho. Em seu livro de 2008, "Os Anos da Vertigem: Europa, 1900-1914" o historiador Philipp Blom cita notas autobiográficas de Marie Curie, nas quais ela descreve as misteriosas luzes azuis e verdes em seu laboratório:

"Uma das nossas alegrias foi adentar em nossa sala de trabalho à noite. Nós então percebemos por todos os lados as silhuetas fracamente luminosas dos frascos de cápsulas contendo nossos produtos. Foi realmente uma bela visão e uma novidade para nós. Os tubos brilhantes pareciam luzes de fadas."

Porém, os materiais nos tubos faziam mais do que estimular os sentidos, eles eletrizavam o próprio ar. Tanto que Pierre construiu uma câmara com um eletrômetro que media as correntes elétricas fracas. Quando ele levou os tubos luminescentes próximos da câmara, o ar de dentro se dividiu em íons positivos e negativos, criando uma corrente elétrica fraca.

A dupla chamou esse fenômeno de "radioatividade", que, além de ser uma nova forma de energia, demonstrou que os átomos (que se pensava ser a menor constituição possível da matéria) poderiam emanar partículas ainda menores. E o tempo todo, os Curie foram involuntariamente doando seus corpos para a Ciência.

E os papéis de Marie?

Após a sua descoberta, todo mundo presumiu que algo tão enérgico como a radiação só tinha de ser benéfico. A indústria em seus diversos campos passou a fabricar produtos radioativos, desde pasta de dentes até laxantes, medicamentos e bebidas. Até que apenas em 1938, uma lei proibiu tais produtos, mas já era tarde demais para muita gente.

Hoje em dia, a radioatividade é muito mais bem compreendida. Além das aplicações conhecidas em medicina e energia nuclear, materiais radioativos são empregados para esterilização, para calcular a idade de materiais orgânicos e muitos outros usos que não oferecem perigo a nossa saúde por serem segura e rigidamente controlados.

No entanto, a radioatividade presente nos papéis e cadernos de anotações de Marie vai continuar na ativa por um longo tempo. Isso porque o isótopo mais comum de rádio, o rádio-226, tem uma meia-vida de 1.601 anos. Então, se você um dia visitar a Biblioteca Nacional de Paris para conferir esse material, com certeza vai precisar do traje especial de proteção.

*Publicado em 4/8/2014

***

Você sabia que o Mega Curioso também está no Instagram? Clique aqui para nos seguir e ficar por dentro de curiosidades exclusivas!

Você sabia que o Megacurioso está no Instagram, Facebook e no Twitter? Siga-nos por lá.