A atmosfera do Sol é 300 vezes mais quente do que a sua superfície, e os cientistas sempre tiveram dificuldades para determinar o motivo desse fenômeno. Contudo, de acordo com o site PhysOrg, um novo estudo, realizado por uma equipe internacional de pesquisadores, pode ter encontrado uma explicação para isso: supertornados monstruosos.

Depois de comparar imagens registradas pelo Telescópio Solar Sueco e pelo Observatório de Dinâmica Solar da NASA, os cientistas observaram diversos pontos brilhantes na superfície e atmosfera solares que correspondem a redemoinhos gigantes que se estendem por todas as camadas atmosféricas da estrela.

Redemoinhos de plasma

Segundo os pesquisadores, esses supertornados solares — formados por plasma magnetizado — levam a energia presente em uma espécie de “reservatório energético” que se encontra sob a superfície da estrela, chamado de zona de convecção, às camadas mais externas da atmosfera, na forma de ondas magnéticas. E, de acordo com as observações, existem aproximadamente 11 mil desses redemoinhos ativos o tempo todo.

Para os pesquisadores, entender como estes supertornados de plasma magnetizado — como os observados no Sol — são aquecidos pode permitir que o mesmo processo seja utilizado aqui na Terra para desenvolver a tecnologia necessária para a construção dispositivos capazes de gerar energia limpa e sustentável.

(Você pode ativar as legendas do vídeo acima clicando no botão "cc" do menu).

Fontes: PhysOrg, University of Sheffield e YouTube