“Vende-se carro de Fórmula 1, ano 76, seis rodas. Ótimo estado. Único dono. Tratar direto com o proprietário”. O que você faria caso encontrasse essa oferta em sua leitura dos classificados do jornal de domingo? Pode ser estranho imaginar um carro desses à venda, já que eles sempre são expostos em museus do automobilismo ou guardados em coleções, mas parece que alguém decidiu abrir uma exceção.

E não se trata de qualquer veículo, mas do Tyrrell P34, considerado o carro de Fórmula 1 mais radical de todos os tempos. Os motivos para esse título são óbvios, já que ele possui nada menos do que seis rodas e uma aerodinâmica diferenciada que melhora seu desempenho na pista. E o melhor de tudo é que essa belezinha pode ser sua.

Por apenas 750 mil libras esterlinas — cerca de R$ 2,5 milhões na cotação atual —, você pode ter essa máquina em sua garagem para passear no fim de semana ou mostrar o quanto seu carro é mais possante que o dos outros. Quem mais pode dizer que tem um motor V8 roncando em casa, não é mesmo?

Entre a garagem e a pista

Brincadeiras à parte, é claro que os principais interessados pelo Tyrrell P34 são colecionadores, principalmente por conta de seu valor histórico. Fabricado em 1976 pelo engenheiro Derek Gardner, o automóvel se destacou nas pistas, tanto que chegou ao pódio nada menos do que 14 vezes — incluindo uma no ponto mais alto com a vitória do piloto Jody Scheckter —, o que ajudou a colocar a Tyrrell na terceira posição do Campeonato Mundial de Construtores daquele ano.

Ampliar (Fonte da imagem: Reprodução/Daily Mail)

Por outro lado, para os interessados que quiserem tirar a poeira do carro e devolvê-lo ao mundo das corridas, saiba que ele está em ótimo estado de conservação e pode voltar a acelerar assim que seu novo dono desejar.

Por que seis rodas?

No entanto, a pergunta que você deve estar fazendo neste exato momento é: “Por que diabos esse carro tem seis rodas?” Pois a resposta está diretamente ligada ao já comentado título de “veículo mais radical da história da Fórmula 1”, ou seja, em sua aerodinâmica totalmente fora do convencional.

Ampliar (Fonte da imagem: Reprodução/Daily Mail)

Como pode ser visto nas imagens, as rodas são menores na parte frontal e isso serve exatamente para que o veículo tenha uma melhor aderência com o asfalto na hora das curvas — o que significa uma vantagem considerável em questão de segundos, o que pode fazer toda a diferença em uma disputa.