(Fonte da imagem: Thinkstock)

De acordo com uma notícia publicada pelo International Science Times, cientistas do CERN — Centro Europeu de Pesquisas Nucleares — admitiram que Albert Einstein tinha razão sobre a Teoria da Relatividade.

A famosa teoria foi contestada quando um grupo de pesquisadores do CERN apresentou os resultados do estudo OPERA (Oscillation Project with Emulsion t-Racking Apparatus) no ano passado, revelando que os neutrinos — partículas subatômicas elementares — podiam atingir uma velocidade superior à da luz.

Einstein estava certo

A notícia causou uma verdadeira reviravolta na comunidade científica, já que a maior parte da Física moderna se baseia na Teoria da Relatividade de Einstein. Contudo, de acordo com Sergio Bertolucci, diretor do Centro, os pesquisadores descobriram um problema em uma das conexões dos cabos de fibra óptica utilizados no estudo, causando um erro de 0,00000006 segundos na medição do tempo.

Depois de realizar novas medições, os cientistas admitiram que os neutrinos, na verdade, não ultrapassam o “limite de velocidade cósmico”, embora continuem sendo considerados partículas fascinantes que podem ser a chave para desvendar os motivos pelos quais o universo apresenta mais matéria que antimatéria.

Fonte: International Science Times