(Fonte da imagem: Reprodução/Wikipédia )

Um novo estudo, realizado por pesquisadores da Universidade do Estado de Ohio, nos EUA, revelou que as temperaturas da região da Antártida Ocidental estão subindo duas vezes mais depressa do que se pensava, tornando essa área uma das que apresentam o mais rápido índice de aquecimento do nosso planeta.

Já faz algum tempo que o aquecimento global se tornou um tema de crescente preocupação, e — particularmente — a Antártida se transformou no foco de inúmeras pesquisas. Os cientistas detectaram um aumento médio de 2,4° C de 1958 a 2010, o que significa que o índice de aquecimento registrado na Antártida Ocidental é o triplo do observado na maior parte do planeta, além de ser equivalente ao das regiões com o mais rápido aumento de temperatura da Terra.

Combinação de fatores

De acordo com o estudo, a grande preocupação é que os picos de temperatura foram detectados durante o verão antártico — que ocorre entre os meses de dezembro e janeiro —, que é justamente quando o degelo sazonal ocorre naturalmente. Porém, a combinação desses dois fatores pode provocar um degelo mais acentuado do manto, contribuindo para uma significativa elevação do nível do mar e para a desestabilização das camadas de gelo.

A pesquisa atual reforça as conclusões apresentadas por um estudo anterior, publicado em 2009, que foi bastante criticado e rotulado de fatalista. Contudo, como a Antártida se encontra em pleno verão no momento, os pesquisadores poderão coletar ainda mais provas dos efeitos do aquecimento global, enquanto torcemos para que o manto de gelo ocidental não derreta por completo.