(Fonte da imagem: Reprodução/Wikipedia)

Um grupo de pesquisadores publicou um estudo sugerindo que os mosquitos machos do gênero Drosophila buscam refúgio no álcool quando se sentem rejeitados pelas fêmeas. Embora pareça engraçado — e até mesmo poético —, o descobrimento é bastante revelador.

Os pesquisadores descobriram que as duas atividades — embriagar-se e fazer sexo — estão relacionadas a uma substância produzida pelo cérebro dos insetos, o neuropeptídeo F, que atua como uma espécie de recompensa. Os pesquisadores observaram que, se os mosquitos deixam de experimentar a sensação de recompensa oferecida pelo sexo, os níveis do neuropeptídeo F diminuem, levando-os a buscar um substituto para essa reação bebendo álcool.

Insetos e mamíferos

Os mamíferos também produzem uma substância semelhante, o neuropeptídeo Y, e existem estudos clínicos que sugerem que suicidas e pessoas que sofrem de stress pós-traumático normalmente apresentam baixos níveis desse componente.

Os pesquisadores acreditam que pode existir um sistema responsável por regular o nível de recompensa em ambos os tipos de animais — mamíferos e insetos. Quando o nível se encontra abaixo do normal, os seres buscam outras formas de se reestabelecer, muitas vezes através do uso de álcool ou drogas.

Embora seja tentador sugerir que o mesmo pode ocorrer com humanos, ainda não foi possível comprovar a relação entre essa substância química e o nosso organismo, mas existem experimentos clínicos testando essa substância para tratar vícios e transtornos de comportamento.