(Fonte da imagem: Reprodução/ESO )

De acordo com a National Geographic, um grupo de astrônomos detectou a maior explosão já registrada de um buraco negro. Segundo a publicação, o evento recorde alcançou uma magnitude — pelo menos — cinco vezes maior do que qualquer outra ocorrência desse tipo estudada anteriormente.

O buraco negro em questão, localizado a mais de 11,5 bilhões de anos-luz da Terra, conta com uma supermassa equivalente às massas de 1 a 3 bilhões de sóis juntos, encontrando-se no centro de um quasar — um tipo de galáxia extremamente energético e brilhante. Os astrônomos estão estudando a explosão através dos poderosos telescópios do Observatório Europeu do Sul (ESO), no Chile, medindo a velocidade e as propriedades do material expelido.

Explosão recorde

Conforme explicaram os cientistas, a explosão está lançando uma quantidade de material equivalente a 400 vezes o peso do nosso Sol por ano, além de alcançar velocidades de aproximadamente 29 milhões de quilômetros por hora. Quanto ao buraco negro, os pesquisadores o descreveram como um dínamo gigante, estimando que ele seja mil vezes mais massivo do que o buraco negro que se encontra no centro da Via Láctea.

Buracos negros massivos como esse são capazes de engolir sistemas solares inteiros e é bastante comum que engulam estrelas. Por outro lado, eles também expelem material em alta velocidade, o que os astrônomos acreditam ser um dos fatores-chave no processo evolutivo das galáxias.

A superexplosão pode ajudar a esclarecer algumas questões cósmicas que intrigam os astrônomos, explicando, por exemplo, qual é a relação existente entre a massa de uma galáxia e a massa do buraco negro que se encontra em seu interior, e a razão de existirem tão poucas galáxias gigantes espalhadas pelo universo.