10 obras de arte roubadas que jamais foram recuperadas
78
Compartilhamentos

10 obras de arte roubadas que jamais foram recuperadas

Último Vídeo

Diversas histórias e filmes hollywoodianos mostram ladrões de obras de arte atrás de uma bolada em dinheiro. Quadros e esculturas dos principais museus do mundo são os alvos principais, mas milionários com peças dentro de suas casas também podem sofrer nas mãos dos criminosos.

Reunimos 10 obras de arte roubadas que nunca mais reapareceram. Além do valor artístico de todas elas, o valor monetário pode passar dos milhões de dólares.

1. Davidoff-Morini Stradivarius

Os violinos Stradivarius são instrumentos considerados verdadeiras obras de arte. Seu valor pode passar a casa do milhão — além de toda a cultura formada sobre seu nome, é dito que a sua qualidade de som é uma das melhores que existem. Existem apenas 650 destes atualmente.

Em 1995, um Stradivarius de 1727 foi roubado do apartamento da violinista Erica Morini. Ele tinha um valor de US$ 3 milhões (cerca de R$ 8 milhões). Pouco tempo depois do roubo, Morini morreu, aos 91 anos. Ainda não recuperado, o item se encontra na lista dos 10 maiores crimes de arte do FBI.

2. "View of the Sea", de van Gogh

Dois homens roubaram dois quadros do museu de Amsterdã às oito da manhã no dia 7 de dezembro de 2002. As obras de arte eram assinadas por ninguém menos que Vincent van Gogh.

"View of the Sea at Scheveningen" e "Congregation Leaving the Reformed Church in Nuenen" foram pintadas entre 1882 e 1884. O valor estimado de ambas as obras era de US$ 30 milhões (R$ 82 milhões).

O museu oferece uma recompensa de R$ 310 mil por informações que levem a encontrar os objetos perdidos.

3. "Le pigeon aux petits pois", de Pablo Picasso

Roubada às sete da manhã no dia 20 de maio de 2010, a obra de Picasso faz parte de uma série de cinco quadros com valor total estimado em R$ 310 milhões. O quadro "Le pigeon aux petits pois" foi surrupiado do Musée d'Art Moderne de la Ville de Paris.

Na cena do crime, foram encontrados apenas uma janela e um cadeado quebrados. O ladrão teve sabedoria e rapidez para retirar a pintura da moldura e sem usar uma faca para corte.

Em 2011, um homem suspeito disse que pegou a tela, mas entrou em pânico e jogou a obra no lixo. Ela ainda está sumida.

4. "Femme devant une fenêtre ouverte", de Gauguin

A obra de 1888 de Paul Gauguin foi roubada em outubro de 2012 no Kunsthal Museum em Roterdã (ela foi levada junto com peças de Picasso, Monet, Matisse e Lucian Freud).

O ladrão levou apenas três minutos para entrar no museu, recolher sete quadros e vazar antes de a polícia chegar. O conjunto vale cerca de R$ 56 milhões. Todas as pinturas ainda não foram encontradas, mas dois homens que participaram do roubo foram presos no mesmo ano e condenados a sete anos de prisão.

5. "The Concert", de Johannes Vermeer

Um dos maiores pintores do século 17, Vermeer teve seu trabalho "The Concert" roubadoem 1990. Dois homens vestidos de policiais em Boston foram ao museu local dizendo que foram chamados. Dentro do edifício, roubaram 13 pinturas de Govaert Flinck, Degas, Rembrandt e do próprio Vermeer. "The Concert", sozinha, tem um preço estimado de R$ 524 milhões — e o recorde de obra de arte desaparecida mais valiosa.

6. "The Judges", de Jan van Eyck

A pintura "The Judges", de Eyck, foi roubada em 1934 da Saint Bravon's Cathedral, na Bélgica. No lugar da obra, foi encontrada uma nota com a seguinte frase em francês: "Tirado da Alemanha pelo Tratado de Versalhes".

Em novembro do mesmo ano, o ladrão foi encontrado. Ele revelou em seu último suspiro que apenas ele sabia a localização da pintura e levaria este segredo para o túmulo. Especulações indicam que ela foi destruída, principalmente pelos vários anos que já se passaram, mas ela ainda consta na lista de perdidos.

7. "The Storm of the Sea of Galilee", de Rembrandt Van Rijn

Esta obra foi roubada junto com “The Concert”, citada acima. Em 2013, em uma coletiva de imprensa, o FBI comentou que sabia quem era o responsável pelo crime — e que provavelmente era um grupo organizado —, mas não poderia revelar mais informações porque a investigação não havia sido finalizada.

Há uma recompensa de R$ 13 milhões para quem fornecer dicas do paradeiro da obra.

8. "Charing Cross Bridge", Claude Monet

A obra do impressionista Monet foi produzida entre 1899 e 1904. Ela foi parte do roubo ao Kunsthal Museum em 2012. Um homem admitiu o crime e disse que "Charing Cross", ao lado de outras pinturas, foi queimada na casa de sua mãe. Mesmo que alguns traços de pigmento tenham sido encontrados no local dito pelo homem, nenhuma evidência sólida foi descoberta. Por isso, ela ainda está desaparecida.

9. Oito ovos imperiais Fabergé

Talvez a obra mais expoente da era dos Czares, as coleções de ovos imperiais Fabergé foram construídas entre 1885 e 1917. A obra artística completa consiste em 52 peças adornadas com joias, metais e pedras preciosas. Destas, oito ovos estão sumidos desde um ataque bolchevique em 1918 na House of Fabergé e no palácio do Czar em St. Petersburg. O paradeiro deles é desconhecido, e cada um vale mais de 1 milhão de dólares. Os rumores indicam que os ovos estão pela Europa, América do Sul e EUA.

10. "The Lovers: The Poet's Garden IV", de Vincent Van Gogh

Pintada em 1888, a obra de Van Gogh foi parar no acervo de Adolf Hitler nos anos 30. Contudo, várias pinturas e esculturas foram roubadas da coleção do nazista, sendo "The Lovers" uma delas. Se você já viu o filme “Caçadores de Obras-Primas”, provavelmente conhece a história do esquadrão norte-americano Monuments Men, recuperou diversas obras. Infelizmente, esta não foi uma delas.

Você sabia que o Megacurioso está no Instagram, Facebook e no Twitter? Siga-nos por lá.