Precisando de alguém para fazer volume e demonstrar tristeza em velórios? Foi pensando nesse tipo bizarro de problema que uma empresa na Grã-Bretanha decidiu disponibilizar pessoas para chorar em funerais e evitar que as cerimônias pareçam vazias.

Além de estranho, esse novo negócio é relativamente caro. A agência Rent a Mouner (algo como “Alugue um chorão’) disponibiliza pessoas para choramingar em funerais pela bagatela de 45 libras a hora, o equivalente a R$137,21. Apesar da bizarrice do serviço, a empresa já esteve presente em 52 eventos desde o seu lançamento, no ano passado.

O fundador da agência, Ian Robertson, explicou ao jornal The Telegraph que os funcionários, quando contratados, procuram saber informações pessoais e profissionais do morto, a fim de poder socializar com as outras pessoas presentes na cerimônia. Robertson afirma que pretende expandir a estrutura de sua companhia e conta que já precisou recusar mais de 60 contratos em cidades vizinhas, por causa da distância.

Origem

Fonte da imagem: Pixabay

A ideia de contratar pessoas para chorar em velórios não é tão nova assim, acredite. Isso já acontece em algumas partes da Ásia. É o caso de Liu Jun-Lin, conhecida no Taiwan como a melhor “choradora” de velórios.

No país de Liu, é tradição que os velórios sejam chamativos e chorosos. Lá, acredita-se que o morto fará uma melhor passagem para o outro lado da vida se houver grande comoção em seu funeral. E é por isso que em Taiwan essa prática de chorar em velórios de quem você nem sabia da existência é algo comum.

Lágrimas verdadeiras

Fonte da imagem: Reprodução/BBC

Liu promove seu negócio justificando que, ao perder alguém muito próximo e amado, os familiares choram tanto que, quando chega a hora do velório, já não existem lágrimas para derramar. A respeito de suas próprias lágrimas, ela diz que são verdadeiras.

Ela explica, ainda, que antigamente muitas filhas saíam de casa para trabalhar e que, se nesse meio tempo alguém da família morresse, era muito difícil conseguir chegar em casa a tempo de participar das cerimônias de despedida. Então, era muito comum que as famílias contratassem uma filha substituta para participar do velório.

A cultura parece estar se espalhando pelo mundo. Será que ela chega aqui ao Brasil? O que você acha desse tipo de serviço?