(Fonte da imagem: Thinkstock)

Ninguém gosta de ficar esperando em uma fila. Seja ela a do banco, do supermercado ou do cinema, sempre que temos que aguardar até que chegue a nossa vez somos torturados por sensações de tédio insuportável, irritação e estresse.

De acordo com um artigo publicado pelo The New York Times, o motivo que nos leva a quase morrer de desespero em uma fila é que, ao ficarmos tanto tempo desocupados, temos a impressão de que a espera é mais longa do que ela realmente é. Tanto que, segundo a publicação, tendemos a exagerar o tempo em que estivemos aguardando em cerca de 36%.

Expectativas e incertezas

(Fonte da imagem: Reprodução/Wikipedia)

Conforme explica o artigo, são as nossas expectativas que afetam a forma como nos sentimos a respeito de uma fila. A incerteza com relação ao tempo amplifica o estresse relacionado à espera, e a falta de informações e explicações sobre o motivo da demora experimentada só ajuda a piorar a situação.

Além disso, outros fatores também colaboram para que a experiência de esperar em uma fila seja pior ainda do que o normal. Estar em uma fila se resume ao momento em que finalmente você será o “próximo” — para o que quer que seja —, assim, se ela andar mais depressa quando estiver chegando a sua vez, você se lembrará dessa ocasião de maneira mais positiva do que quando a fila empaca justo antes de você sair dela.

O que fazer para vencer o tédio e a irritação?

(Fonte da imagem: Reprodução/Wikipedia)

Infelizmente, “furar fila” não é uma opção aconselhável, afinal você pode acabar irritando ainda mais as outras pessoas que estão exatamente na mesma situação que você e acabar causando uma bela confusão. Mas entender os motivos que causam o estresse que você está sentindo pode ajudar um pouco.

Portanto, como enfrentar longos momentos de espera é algo inevitável, tente ter sempre à mão algo com o que ocupar a mente e o tempo. Pode ser um bom livro, um jogo divertido ou até mesmo uma seleção com músicas que você gosta, o que também poderá ajudar a camuflar as reclamações e os suspiros exasperados dos demais ocupantes da fila.

Fonte: The New York Times