Tom de voz pode denunciar potenciais traidores

Tom de voz pode denunciar potenciais traidores

Equipe MegaCurioso
Último Vídeo

Fonte: Thinkstock

Uma pesquisa publicada no Evolutionary Psychology, em 2011, revelou que inconscientemente percebemos pelo tom de voz de um parceiro se ele é um potencial traidor ou não.

De acordo com o estudo, ao escolher um parceiro, as mulheres acreditam que a voz mais grave do homem indica mais probabilidade dele trair. Por outro lado, os homens percebem que uma mulher com tom de voz mais agudo tenha mais chances de ser infiel.

A pesquisa é a primeira a examinar a ligação entre o tom de voz e a infidelidade percebida, sendo que ela revelou uma visão sobre a evolução da voz humana e como podemos escolher os nossos companheiros. "Em termos de estratégia sexual, descobrimos que homens e mulheres vão usar o tom de voz como um sinal de alerta da traição futura. Assim, quanto mais atraente a voz mais prováveis as chances de eles ou elas traírem", disse Jillian O'Connor, da Universidade McMaster, principal autora do estudo.

Jillian afirmou ainda que através do processo evolutivo temos aprendido maneiras de evitar parceiros que podem ser infiéis como um mecanismo de proteção. Por isso, desenvolvemos essa capacidade de perceber inconscientemente um tom de voz que denuncia um provável traidor.

Os participantes do estudo foram convidados a ouvir duas versões de trechos gravados a partir de uma voz masculina e uma voz feminina, que foram manipuladas eletronicamente. Depois eles foram instruídos a indicar quais donos dessas vozes tinham mais probabilidade de trair o seu parceiro.

Dr. David Feinberg, professor e consultor do estudo, afirma que o tom de voz e a propensão a traição estão relacionados diretamente com os hormônios. "Os homens com níveis mais elevados de testosterona têm vozes mais graves e as mulheres com níveis mais altos de estrogênio têm vozes mais agudas. Altos níveis desses hormônios estão associados ao comportamento adúltero e nossos achados indicam que os indivíduos são pouco conscientes dessa ligação”, afirma o professor.

Você sabia que o Megacurioso está no Instagram, Facebook e no Twitter? Siga-nos por lá.