Para combater suicídios, pessoas são presas em caixões na Coreia do Sul
599
Compartilhamentos

Para combater suicídios, pessoas são presas em caixões na Coreia do Sul

Último Vídeo

Um dos problemas mais graves e que causa mais mortes atualmente na Coreia do Sul são os suicídios. Ocorrem aproximadamente 40 casos por dia de pessoas que acabam com a própria vida no país. Segundo especialistas, essa estatística se deve à existência de uma sociedade altamente competitiva, que afeta pessoas jovens, de meia-idade e idosos.

Nós já mostramos aqui no Mega Curioso, a campanha da Samsung que ajuda a reduzir o número dessas ocorrências em uma famosa ponte de SeulAgora, para lidar com esse problema e a dramática estatística apresentada pela sociedade coreana, surge outra alternativa: as chamadas “escolas da morte”. A ideia é proporcionar ao público um momento de reflexão sobre a possível decisão de acabar com a própria vida, envolvendo a maneira de se fazer isso e uma análise sobre o sentimento das pessoas e familiares que ficam.

As aulas

As simulações de funerais se iniciam com os alunos carregando o seu próprio retrato funerário até um caixão. Há vários alunos por classe e eles estão utilizando vestes tradicionalmente utilizadas para o enterro. Todos os passos são regidos por um palestrante, que no caso das aulas das imagens é Jeong Yong-mun, ex-funcionário de uma companhia funerária. Na fala inicial, ele procura evidenciar a todos os presentes que os problemas fazem parte da vida e precisam ser aceitos.

Antes de começarem o falso velório, Youg-mun solicita aos participantes que escrevam o testamento ou uma carta aos seus familiares. Além disso, eles também precisam ler as últimas palavras para todo o grupo. Por fim, chega a “hora de morrer” e, com as velas sendo acendidas, uma pessoa trajada como o “anjo da morte coreano” entra na sala.

Os alunos, então, entram nos caixões e são trancados pelo “anjo”. A sensação é de estarem mortos, pois são pelo menos longos 10 minutos enclausurados nas caixas de madeira. Nesse tempo, o que eles devem fazer é refletir sobre a vida e analisá-la sob outra perspectiva.

No fim dessa experiência, segundo o site Mail online, os alunos saem dos “paletós de madeira” renovados, com pensamento livre dos conflitos que os incomodam. O palestrante ainda profere algumas palavras, atentando para o fato de que os participantes viveram uma experiência de morte, mas estão vivos e precisam seguir lutando.

Jeong Yong-mun ministra a palestra para os alunos da "escola da morte"

Entre os públicos-alvo das aulas estão jovens e adolescentes pressionados por bons resultados nas escolas e universidades, pais que, vendo seus filhos saírem de casa, começam a se sentir inúteis e idosos que se sentem um peso nas contas dos familiares.

Os fatores que causam as altas taxas de suicídio

A Coreia do Sul levou poucas décadas para sair da posição de uma das nações mais pobres e figurar entre as 12 maiores potências econômicas do mundo. Como consequência, as pessoas passaram a ignorar o coletivismo, aderindo à ideologia do individualismo. Isso influenciou nas estruturas familiares e muitos passaram a se sentir sozinhos e abandonados.

É isso o que sugere o Escritório Nacional de Estatísticas, atentando para o dado de que menos de um terço da população do país ainda acredita que deve sustentar parentes idosos. Esses, por sua vez, desesperados pelas condições que apresentam, possuem uma tendência a cometer suicídios, na Coreia do Sul, quatro vezes maior do que em qualquer outro país desenvolvido. A única nação com índices maiores do que o país asiático nesse sentido é a Guiana, vizinha do Brasil, aqui na América do Sul.

Segundo dados da Organização Mundial da Saúde, enquanto na Coreia aproximadamente 28,9 pessoas se matam a cada 100 mil habitantes, esse índice é de 44,2 no país sul-americano.

Confira mais algumas imagens das "aulas da morte" na galeria abaixo:

O que você achou das "escolas da morte"? Acredita que realmente faz efeito para as pessoas? Opine no Fórum do Mega Curioso

Você sabia que o Megacurioso está no Instagram, Facebook e no Twitter? Siga-nos por lá.