Países da América Latina lideram ranking de nações mais felizes de 2014
99
Compartilhamentos

Países da América Latina lideram ranking de nações mais felizes de 2014

Último Vídeo

Se você tivesse que responder rápido, de cabeça, se a humanidade, como um todo, é feliz, qual seria a sua resposta? Se você respondeu “sim”, você acertou. Pelo menos é isso o que revelou uma pesquisa realizada pela empresa Gallup, em 2014. A análise contou com mais de 150 mil adultos entrevistados em 148 países ao redor do mundo.

O Relatório de Emoções Global 2015 procurou avaliar se as pessoas estavam felizes com perguntas sobre os sentimentos e experiências do dia anterior à realização da pesquisa. Os dados computados foram classificados em uma escala de 0 a 100 e o índice mundial médio de experiências positivas em 2014 foi de 71%.

O número que indica o nível de positividade do mundo manteve a mesma média de 2013 e não tem grandes alterações desde 2006, conforme é possível observar no gráfico abaixo, feito pelo site Atlas:

Índice de Experiência Positiva Mundial (%/Ano)

Isso nos permite dizer que, apesar dos muitos problemas, como conflitos e crise econômica, a humanidade ainda é feliz. Entretanto, e dos países analisados, qual possui mais positividade? E qual tem maior índice de experiências negativas? Vejamos a seguir:

O ranking de positividade

Os responsáveis pela pesquisa levantaram números para analisar tanto o índice de positividade quanto o de experiências negativas das pessoas. Dos países que obtiveram os maiores índices de emoções positivas, vários são da América Latina. O maior destaque fica por conta do Paraguai, que obteve a maior pontuação, com 89. Colômbia (2º), Equador (3º) e Venezuela (7º) são os outros representantes sul-americanos no top 10.

Países com maiores índices de experiência positiva em 2014

O índice de positividade do Brasil foi mediano, de maneira que o país não figurou entre os 10 primeiros mais positivos, mas a pontuação foi mais satisfatória do que os países com menor índice. A maioria desses locais passou ou está em momentos conturbados de guerra ou conflitos políticos. Ainda assim, segundo a pesquisa, muitos participantes revelaram ter motivos para sorrir. 

A nação que teve menos emoções positivas em 2014, segundo a pesquisa, foi o Sudão. O país do norte da África também foi o único que teve média abaixo dos 50%, com 47 pontos. A Tunísia, penúltima colocada, obteve um indicador de 52% em emoções positivas no último ano.

Países com menor índice de experiências positivas em 2014

As experiências negativas

Outro item levantado pelo estudo foi o índice de experiências negativas tidas por cada nação. Em relação a 2013, houve uma pequena diminuição, mas, a exemplo do ranking de positividade, a média vem se mantendo dentro da mesma margem desde 2006, com 25%.

Índice Mundial de Experiências Positivas (%/Ano)

Entre as nações que apresentaram maior índice de experiências negativas, o Iraque, com 56%, e o Iran, com 50%, são os que lideram. Os dois países vêm liderando a lista dos que possuem mais emoções negativas há alguns anos, segundo o site Quartz.

Países com maior índice de experiências negativas em 2014

Um ponto interessante nessa análise é que alguns locais demonstraram níveis emocionais intensos, já que acabaram por indicar altos índices de emoções tanto positivas quanto negativas. Bolívia e El Salvador são dois exemplos. Nesses países, quase 60% dos participantes acabaram dando a mesma resposta afirmativa em todas as perguntas.

Por outro lado, também houve países em que o nível de emoções se revelou muito baixo, não apresentando nem emoções positivas nem emoções negativas no dia anterior à aplicação do questionário.

Países com menor índice de experiências negativas em 2014

Alguns fatores que influenciam os resultados

Liberdade individual, a presença de comunidades e oportunidades de trabalho, bem como questões pessoais, são os pontos que estão mais associados às emoções positivas. Quanto aos aspectos negativos, há uma observação sobre a pesquisa realizada em 2013. Na ocasião, a Grécia e a Síria apresentaram maior índice de emoções negativas e menor de positivas em relação a 2012. Vale lembrar que a Síria não foi incluída na última pesquisa porque não foi considerada suficientemente segura para receber o estudo.

Para o diretor de análise da Gallup, Jon Clifton, isso mostra que fatores externos como corrupção, fome e dificuldades econômicas estão relacionados às emoções negativas. Trazendo isso para o atual cenário político econômico brasileiro, a pesquisa que será realizada neste ano deve apresentar resultados voltados mais a emoções negativas do que positivas.

Você sabia que o Megacurioso está no Instagram, Facebook e no Twitter? Siga-nos por lá.