Transplante de face: rapaz conta como é viver com o rosto de um doador
1.904
Compartilhamentos

Transplante de face: rapaz conta como é viver com o rosto de um doador

Último Vídeo

Atenção: este artigo contém imagens fortes que podem incomodar pessoas mais sensíveis.

Nós aqui do Mega Curioso já publicamos matérias a respeito de pessoas que passaram por transplantes de face — e você pode acessar uma delas através deste link e outra através deste também —, e nelas descrevemos curiosidades e como essa complexa cirurgia acontece. No entanto, nós nunca havíamos abordado esse assunto do ponto de vista de quem recebeu o novo rosto nem nos aprofundamos sobre como é a sua recuperação e adaptação a feições que não são suas.

Mitch Hunter antes de sofrer o acidente que destruiu seu rosto

A história a seguir é a do soldado norte-americano Mitch Hunter, um homem de 35 anos que, há cinco anos, passou por um transplante total de face. Recentemente, Mitch participou de uma sessão de perguntas e respostas do site Reddit e, segundo contou, seu drama começou há 14 anos, depois que ele recebeu uma descarga elétrica de 10 mil volts ao salvar a vida de uma mulher presa nas ferragens de um carro que havia batido contra uma torre elétrica.

Heroísmo e trauma

De acordo com Mitch, quando foi resgatar a vítima, um dos cabos elétricos entrou em contato com sua perna esquerda — e boa parte da descarga escapou através de seu rosto. Como resultado, o soldado perdeu a perna e dois dedos da mão direita. Ademais, tanto a pele do pescoço como a da face de Mitch “derreteram”, e ele precisou de 20 enxertos obtidos a partir de suas costas e perna. Veja uma (chocante) imagem dele se recuperando no hospital:

Seu rosto derreteu com a descarga elétrica

Mitch foi operado por uma equipe de 30 médicos, e os cirurgiões levaram 14 horas para remover todo o tecido que cobria a sua face, conectar os vasos sanguíneos, músculos e nervos faciais do doador aos seus e colocar os olhos, nariz e boca no lugar. Conforme disse, durante a operação, os especialistas realizaram um grande número de microcirurgias e, curiosamente, apenas três terminações nervosas foram ligadas, as das duas bochechas e a da testa.

Recuperação e aprendizado

Segundo Mitch, ele começou a perceber as primeiras sensações — de formigamento — na face apenas seis dias após a cirurgia, e o processo de recuperação demorou cerca de um ano. Só foi depois desse período as suas feições começaram a se “assentar” e parecer mais normais. Além disso, passado esse tempo todo, Mitch disse que já havia recuperado entre 50 e 60% da sensação em seu rosto.

Evolução do rosto de Mitch

Atualmente, o soldado já possui 100% da sensibilidade facial, mas continua trabalhando no controle muscular. Ele contou que segue aprendendo a usar os lábios corretamente e que ainda não consegue dar sorrisos abertos. Por outro lado, Mitch revelou orgulhoso que consegue levantar as sobrancelhas individualmente e que agora pode deixar a barba crescer — coisa que não conseguia antes do acidente.

Mitch atualmente

O soldado manteve suas próprias orelhas e cabelos, mas todo o resto pertence ao jovem que faleceu e doou seu rosto. Entretanto, ele disse que, na verdade, acredita que a sua aparência não mudou tanto assim, já que, conforme explicou, a estrutura óssea é quem dá aos nosso rosto seu formato. Além disso, a família do doador — que se tornou bem próxima a Mitch — também acredita que ele não se parece nem um pouco com o rapaz que morreu.

Por fim, Mitch contou que vem lidando superbem com o rosto novo que recebeu. O corajoso soldado só sente muito pelo fato de que outra pessoa tenha precisado perder a vida para que ele pudesse ganhar o que ele chamou de presente.

Você sabia que o Megacurioso está no Instagram, Facebook e no Twitter? Siga-nos por lá.