Cachorra é abandonada em aeroporto e morre de tristeza tempos depois
2.844
Compartilhamentos

Cachorra é abandonada em aeroporto e morre de tristeza tempos depois

Último Vídeo

Quem ama os animais sabe: eles são bem mais afetivos e dependentes do que imaginamos. Abandonar um bichinho é um ato de crueldade que pode resultar em finais trágicos. No Colômbia, por exemplo, uma cachorrinha ficou um mês perambulando por um aeroporto até ser resgatada em depressão. Ela morreu por conta disso.

Chamada pelos veterinários de Nube Viajera (ou Nuvem Viajante, em português), a cadelinha foi encontrada no Aeroporto Internacional de Palonegro, pertinho de Bucamaranga, há duas semanas. Nos últimos dias de vida, Nube se recusava a comer e a beber água, tendo ficado cada vez mais debilitada.

Ela se isolou em um canto do aeroporto à espera da morte, já que seu dono nunca mais apareceu. Nube chegou a ser resgatada por uma ONG de proteção animal de Bucamaranga, mas passou apenas dois dias no abrigo antes de falecer. Por ser um animal jovem, de aproximadamente dois anos, os veterinários acreditam que sua saúde estava perfeita, tendo sucumbido por conta do coração partido pelo abandono.

nube viajeraNube Viajera se isolou em um canto e recusava comida e água

Os especialistas em comportamento animal apostam na hipótese de abandono já que Nube não apresentava o padrão de cães de rua. Ela estava em profunda depressão, mas o resto de seu organismo está sem nenhum problema. A desidratação e a desnutrição, causadas pelo desinteresse em se alimentar, foram as causas da morte de Nube.

“Os cachorros perdidos têm um forte instinto de sobrevivência e podem se mover facilmente de um lugar para outro sem cair na depressão”, disse o veterinário Alejandro Sotomonte. No aeroporto, Nube cheirava todo mundo e se comportava como se estivesse procurando alguma pessoa específica – provavelmente a que a abandonou por ali.

Cadelinha chegou a ser resgatada, mas morreu com o coração partido

Você sabia que o Megacurioso está no Instagram, Facebook e no Twitter? Siga-nos por lá.