(Fonte da imagem: Reprodução/Live Science)

De acordo com uma notícia publicada pelo site Live Science, metade da Grande Barreira de Coral da Austrália — a maior estrutura do mundo composta unicamente por organismos vivos — desapareceu nos últimos 30 anos, mostrando um forte e progressivo declínio.

Segundo a pesquisadora Katharina Fabricius, que vem estudando a Grande Barreira desde 1988, embora o local continue gigante, é notável a diminuição de espécies marinhas que habitam esse ecossistema, sem falar nas suas cores. Fabricius e sua equipe monitoraram 214 recifes — compilando informações obtidas através de 2.258 levantamentos — para determinar o progresso do declínio entre os anos de 1985 e 2012.

Declínio progressivo

(Fonte da imagem: Reprodução/Live Science )

Os pesquisadores descobriram que, embora algumas áreas não pareçam mostrar quaisquer sinais de declínio, o ritmo geral estimado é de 3,4% ao ano. Os cientistas acreditam que as principais causas do desaparecimento dos corais se devem à ação de uma espécie invasiva de estrela-do-mar que se alimenta desses organismos — a Acanthaster planci —, ao branqueamento do coral graças ao aquecimento global e à ação de ciclones tropicais na área.

Embora seja impossível controlar os eventos climáticos que atingem os corais, para frear o progresso do declínio os pesquisadores pedem a diminuição das emissões de CO2, além de estudar formas de controlar os danos causados pelas estrelas-do-mar devoradoras de recifes, que podem chegar a quase um metro de diâmetro, contando com espinhos venenosos e 21 braços!

Fonte: Live Science