Inventaram um chocolate “magro” que é tão bom quanto o original
381
Compartilhamentos

Inventaram um chocolate “magro” que é tão bom quanto o original

Último Vídeo

O chocolate, além de ser delicioso, contém antioxidantes e parece ter efeitos positivos sobre a circulação sanguínea e o coração, além de ter ação comprovadamente positiva sobre o nosso humor. No entanto, um dos problemas relacionados com o chocolate é que, para que ele fique líquido e possa ser trabalhado durante o processo de fabricação, é necessário que uma grande quantidade de gordura seja adicionada à receita.

Delícia

Como resultado, as barras podem conter entre 40 e 60% de gordura em sua composição, o que, como você sabe, não é muito desejável — nem saudável. Por sorte, físicos da Universidade Temple, da Filadélfia, descobriram uma forma de produzir um chocolate que contém um teor de gordura mais baixo e pode ser manipulado facilmente, como o original. E o melhor: dizem que a novidade é mais saborosa que a versão “gorda” do doce.

Chocolate magro

Segundo os físicos, uma barra de chocolate normalmente contém cacau, leite, açúcar e outras partículas que, por sua vez, ficam em suspensão em gordura — como a manteiga de cacau, por exemplo — na sua forma líquida. O problema é que, quando removemos esse ingrediente da receita, o chocolate se torna mais viscoso e consistente, fluindo mais lentamente e até entupindo as máquinas da linha de produção.

Solução magra

Entretanto, os cientistas descobriram que, ao aplicar um campo elétrico paralelo ao sentido no qual o chocolate está fluindo, eles conseguem alterar a microestrutura das partículas presentes na mistura. Assim, o que ocorre é que as partículas sólidas de cacau mudam de formato e se organizam em cadeias mais curtas do que o normal.

Com isso, as partículas ganham mais “espaço” na mistura — resultando em uma redução na viscosidade do chocolate e, portanto, em uma diminuição na necessidade de gordura. De acordo com os físicos, esse método pode permitir que, em vez de conter entre 40 e 60% de gordura, as barras possa ser produzidas com, em média, 28% desse material.

Barrinha "gorda" de Mars

Aliás, em um dos testes, os pesquisadores conseguiram cortar o conteúdo de gordura de barra de Mars — um tradicional chocolate consumido em várias partes do mundo — para míseros 10%. Para colocar a nova técnica em prática, basta gerar o campo elétrico com uma fonte de energia de alta voltagem, e os cientistas garantem que o sabor do doce não é comprometido.

Você sabia que o Megacurioso está no Instagram, Facebook e no Twitter? Siga-nos por lá.