Ensaio fotográfico mostra que homens também têm problemas de autoestima
1.732
Compartilhamentos

Ensaio fotográfico mostra que homens também têm problemas de autoestima

Último Vídeo

Não é de hoje que os padrões de beleza infernizam a vida de milhões de pessoas que fazem de tudo, tudo mesmo, para mudar a própria imagem à procura do sonhado “corpo perfeito”. É comum que as mulheres sejam mais cobradas nesse sentido, mas, de uns tempos para cá, a indústria das cirurgias plásticas e dos produtos de beleza conseguiu atrair o público masculino também, que parece estar cada vez mais insatisfeito com a imagem diante do espelho.

O Huffington Post publicou um ensaio que retrata os problemas de autoimagem enfrentados por homens que, por algum motivo, acreditam que seus corpos não são desejáveis. Um estudo recente descobriu que, para os homens, estar acima do peso é um fator associado a fraqueza e falta de força de vontade, enquanto os musculosos são vistos como confiantes e poderosos.

Outras pesquisas já revelaram que os homens têm mais dificuldades para comunicar suas próprias inseguranças, o que faz com que eles levem mais tempo para trabalhar em cima daquilo que acreditam que está errado. Além disso, já é comprovado que, para os homens, falar a respeito daquilo que não gostam com relação ao próprio visual ainda é um tabu.

Para mostrar que, sim, os rapazes também têm inseguranças com relação ao próprio corpo, o veículo resolveu fotografar 19 homens com idades entre os 20 e os 60 anos, sem camisa, de modo que a principal insegurança de cada um deles fosse verbalizada. As fotos foram feitas por Damon Dahlen. Confira algumas delas a seguir:

1 – A barriga

“Não gosto de sentar com o meu tronco curvado sobre as minhas pernas – me parece grosseira a forma como a minha barriga encosta em meu cinto. Da mesma forma, se eu tiro a camiseta, tento ficar deitado ou reclinado, de forma que meu troco fique alongado. Eu também flexiono meus braços e meu abdome constantemente. A dor e a tensão de malhar fazem com que eu me sinta melhor”.

2 – A idade

“Eu sou realista com relação ao meu corpo. Cuido de mim mesmo e me exercito vigorosamente e regularmente, mas agora não tenho mais 30 anos. Vejo um monte de caras na minha idade cujos corpos parecem, bem, tristes, e eu estou determinado a não deixar que isso aconteça comigo.

É constrangedor, mas às vezes eu pressiono meus dedos contra a minha barriga para tentar me convencer de que meu abdome é firme. Raramente falo com meus amigos a respeito de minhas preocupações com meu corpo, e reparo que a maioria dos meus amigos são casados e estão acima do peso – não tenho certeza de que há uma correlação entre esses dois fatores, mas, como resultado disso, nós não falamos muito sobre problemas com nossos corpos”.

3 – O peso

“Eu frequentemente me sinto um pouco fraco e inconsistente e gostaria de ter um corpo mais poderoso. Eu me sinto realmente agradecido pelo fato de que algumas pessoas ao meu redor são muito abertas com relação às próprias questões corporais – essa é a chave. Uma vez um amigo começou a falar e foi o que fez com que todos os outros falassem também”.

4 – Confiança com o tempo

“Eu me sinto muito melhor com relação ao meu corpo do que eu me sentia antes. Até eu estar no final da universidade, eu tinha um metabolismo incrivelmente rápido, o que eu percebi que para muitos seria uma benção. Para mim, isso me deixou parecendo, como muitos dos meus amigos já descreveram, com “um sobrevivente do Holocausto”. Desde então, meu metabolismo desacelerou. Eu ocasionalmente vou à academia, o que eu acho que tem ajudado minha confiança de alguma forma”.

5 – Dilemas

“Eu sinto como se tivesse desapontado meu corpo. No ensino médio era ‘eu sou tão magro, eu preciso crescer’, mas agora é ‘eu ainda sou muito magro, mas agora eu tenho uma barriga’. Minhas inseguranças dobraram nesse sentido. Ter braços magros e uma barriga de cerveja é longe de estar no arquétipo muscular masculino. Falo sobre isso com minha namorada, às vezes, mas com os meus amigos, não. Grupos de homens héteros não são fontes imediatas de empatia e consideração”.

6 – Com ou sem camisa

“Eu normalmente acho que ninguém pode ver que eu tenho barriga quando estou usando camiseta, então eu sinto como se estivesse expondo um segredo quando a tiro. Não me lembro de um momento em minha vida no qual eu tenha me sentido totalmente confortável com relação ao meu corpo. Tem sido especialmente ruim desde que terminei a universidade, possivelmente por causa da insegurança que vem com os novos amigos, novos arranjos de vida e com o fato de morar em uma nova cidade”.

7 – Mudança

“Sempre senti como se eu fosse inadequado. Depois, trabalhar [com mídia] me deixou mais confortável na minha própria pele do que em qualquer outro momento da minha vida. Não tenho ideia do porquê, mas parece que aprender sobre espaços e ideias ajuda. Com as mulheres eu discuto minha imagem corporal. São conversas quase sempre produtivas. Com os homens, por outro lado, eu evito essas discussões, pois homens estão constantemente tentando evitar parecer fracos. Isso é um saco”.

*Publicada em 21/08/2015

Você sabia que o Megacurioso está no Instagram, Facebook e no Twitter? Siga-nos por lá.