John Frum: conheça o “deus” militar adorado por nativos do Pacífico
529
Compartilhamentos

John Frum: conheça o “deus” militar adorado por nativos do Pacífico

Último Vídeo

Você já ouviu falar a respeito de Tanna, uma ilha com cerca de 40 quilômetros de comprimento, 19 km de largura que pertence a Vanuatu, na Melanésia? Esse local é ocupado por aproximadamente 20 mil nativos, e em muitas das aldeias os habitantes mantém seus costumes tradicionais mais ou menos preservados proibindo a introdução de tecnologias e invenções modernas.

Assim, em algumas comunidades, as crianças não vão à escola e os homens ainda usam vestimentas feitas de fibras vegetais e kotekas — bainhas indumentárias para o pênis feitas a partir da cabaça seca. Entretanto, um aspecto muito interessante da cultura local é a celebração que ocorre anualmente para homenagear uma figura sagrada conhecida como John Frum.

O povo de Tanna

As ilhas de Vanuatu estão situadas ao noroeste da Austrália e ao sudoeste das Filipinas e da Malásia, e o primeiro contato entre nativos e europeus aconteceu por volta do final do século 18. Antes disso, os povos que ocupavam as ilhas viviam em sociedades tribais consideradas selvagens pelo homem branco.

Vista aérea da aldeia

Na verdade, os habitantes tinham como costume comer os inimigos derrotados em batalha — e um que outro missionário que representasse uma ameaça para as tribos —, e o costume acabou dando origem à imagem que ainda persiste de que as ilhas isoladas são ocupadas por comunidades de canibais.

Esses são os habitantes de Tanna no cotidiano

Bem, acontece que, com o tempo, as ilhas de Vanuatu foram colonizadas pelos franceses e britânicos, os missionários conseguiram estabelecer um governo e um sistema legal — e o sossego da população acabou. Os cristãos começaram a proibir manifestações culturais como danças tradicionais, o uso de determinadas expressões, a poligamia e, obviamente, os banquetes nos quais os corpos dos inimigos eram servidos como prato principal.

Transformação no Dia de John Frum

Os habitantes de Tanna, como você pode bem imaginar, não gostaram nada dessa opressão imposta pelos “forasteiros”, e cerca de 30 anos após a chegada dos missionários, os anciãos tiveram a visão de um homem que veio para convencer a população a rejeitar os europeus e a resgatar seus costumes com a promessa de que isso traria uma era de abundância à ilha.

John quem?

Essa entidade que falou aos anciãos de Tanna ficou conhecida como John Frum — e existem algumas teorias interessantes sobre a possível origem de seu nome. Uma das teorias seria que o nome John Frum provavelmente seja derivado da frase John from Jesus Christ — João de Jesus Cristo em tradução livre, onde João seria João Batista.

Homens da aldeia celebrando o Dia de John Frum

Outra possibilidade está associada à palavra “frum”, que é a forma como os habitantes da ilha pronunciam a palavra “broom” (ou vassoura em inglês), e estaria associada com a ideia de varrer os missionários brancos de Tanna. Independente de qual tenha sido a origem exata do nome, o fato é que a população acatou a ideia da divindade e decidiu lutar para retomar sua cultura. Então, os missionários foram embora e todos viveram felizes e isolados até que...

Visitantes bem vindos

Nos anos 40, durante a Segunda Guerra Mundial, centenas de milhares de soldados norte-americanos começaram a chegar até as ilhas de Vanuatu — uns por mar, outros voando com seus paraquedas — com o objetivo de estabelecer bases militares no Pacífico.

Para isso, os combatentes recrutaram os nativos para ajudar na construção de estradas, pontes, hospitais, pistas de pouso, alojamentos etc., e boa parte das provisões para essas obras todas chegava até ilha por meio de aviões, e é claro que essa movimentação teve um impacto enorme na população local.Crianças homenageando John Frum

Imagine os nativos presenciando carregamentos de roupas, alimentos — entre eles, chocolate, comida enlatada e Coca-Cola —, ferramentas, armas, barracas e outros itens que eles nunca tinham visto em suas vidas caindo do céu! Ademais, o comportamento dos estrangeiros com respeito ao povo era muito mais amigável do que o dos missionários: além de pagar por seu trabalho, os militares compartilhavam boa parte de suas gostosuras com os nativos.

Outro ponto importante é que entre os soldados norte-americanos também havia homens negros — que tinham o mesmo acesso que os brancos e também podiam desfrutar dos “tesouros” que caíam em Tanna.

Festejo em andamento

Com isso, os nativos começaram a associar a figura de seus antigos ancestrais com a dos soldados afrodescendentes e a acreditar que seus antepassados voltariam à vida e distribuiriam a eles riquezas inimagináveis. Aliás, foi nessa época que a figura de John Frum voltou à cena — só que na pele de um militar negro norte-americano.

John Frum USA

Com o fim da guerra, os norte-americanos foram embora, deixando para trás todos os cacarecos e obras que eles construíram na ilha e, segundo a crença dos locais, John Frum foi morar no interior de Yasur (palavra que significa “Deus” no idioma local), o vulcão da ilha. Além disso, os carregamentos de coisas maravilhosas também pararam de chegar.

Só que a presença dos norte-americanos — e os agradinhos que eles distribuíam para os habitantes — mexeu tanto com a vida dos nativos que eles criaram uma espécie de culto com o objetivo de trazê-los de volta. Assim, os habitantes de Tanna começaram a criar pistas de pouso rudimentares e atracadouros com a esperança de atrair os estrangeiros.

Cabana-santuário de John Frum

Atualmente, os seguidores de John Frum celebram o seu dia todo 15 de fevereiro, e os nativos criaram uma espécie de santuário cheio de objetos “mágicos” inspirados nos militares. No interior desse local, existem moedas de dólar esculpidas em pedra, uma águia-americana e réplicas de rádios e motosserras feitas em madeira e uma porção de coisas mais.

Mestre da cerimônia

Na cabana ainda existe um par de quadros-negros nos quais os nativos fazem desenhos de emblemas do Exército dos EUA e incluem listas de pedidos a John Frum. Durante a cerimônia de homenagem, um dos chefes da tribo veste um uniforme de gala e lidera um grupo de homens também uniformizados com calças jeans — que marcham em formação com baionetas de bambu sobre os ombros e as letras “USA” pintadas em vermelho no peito e nas costas.

Formação e respeito

Além disso, os seguidores do culto a John Frum hasteiam bandeiras de Vanuatu e dos EUA pela aldeia, e mulheres e crianças realizam danças ritualísticas. Vale destacar que, hoje em dia, o culto não está mais focado na obsessão dos locais com respeito aos objetos e produtos estrangeiros, mas muito mais em sua gratidão aos norte-americanos e na figura de Frum, que se transformou em uma espécie de herói que ajudou o povo da ilha a conquistar a sua liberdade.

Você sabia que o Megacurioso está no Instagram, Facebook e no Twitter? Siga-nos por lá.