(Fonte da imagem: Reprodução/National Science Foundation )

De acordo com uma notícia do National Science Foundation, dos EUA, um grupo de cientistas do Parabon NanoLabs desenvolveu uma nova tecnologia que permite a criação e teste de novos medicamentos de maneira muito mais rápida e precisa do que os testes clínicos tradicionais. Para isso, os pesquisadores desenvolveram uma plataforma de desenho auxiliado por computador (CAD) para a fabricação de drogas sob medida através da impressão 3D.

Segundo a publicação, os pesquisadores utilizaram a plataforma de design chamada inSequio para combater um tipo de câncer cerebral. Assim, os cientistas utilizaram o simples comando de “arrastar e soltar” presente no software para criar um medicamento específico e bastante preciso a partir de determinadas moléculas que, depois de combinadas, saíam em busca de células cancerosas para atacá-las e destruí-las.

“Arrastar e soltar”

Os pesquisadores primeiro selecionaram quais as características que o novo medicamento devia apresentar e, depois, utilizaram uma superplataforma para identificar sequências de DNA capazes de reunir os componentes necessários. Mais tarde, lançando mão de tecnologias para a fabricação em nanoescala — ou impressoras 3D —, os cientistas conseguiram produzir trilhões de cópias das moléculas que compõem os medicamentos.

O procedimento permite que novas drogas possam ser desenvolvidas e produzidas em apenas poucas semanas — ou dias, inclusive —, ao contrário dos métodos convencionais, que podem demorar anos. E além da aplicação na área médica, os pesquisadores acreditam que a nova tecnologia também poderá ser empregada na criação de nanosensores moleculares e circuitos lógicos em nanoescala.