Russo com doença degenerativa pode fazer 1º transplante de cabeça do mundo
179
Compartilhamentos

Russo com doença degenerativa pode fazer 1º transplante de cabeça do mundo

Último Vídeo

Valery Spiridonov, 30 anos, sofre de uma síndrome rara chamada Werdnig-Hoffmann. A doença genética deteriora e atrofia constantemente todos os músculos do corpo do homem. Apesar da situação ruim, Spiridonov pode tentar resolver o problema através de um procedimento bastante inusitado: um transplante de cabeça.

O Dr. Sergio Canavero, membro do Turin Advanced Neuromodulation Group, afirma desde 2013 que as barreiras técnicas que impediam o método já podem ser contornadas com certa segurança. Segundo ele, um corte limpo na medula espinhal e uma reconexão adequada com a ajuda de um produto químico especial podem permitir que o paciente recupere certa mobilidade no novo corpo.

É possível

Testes recentes em ratos demonstram que o procedimento é possível, mas não há nenhuma cirurgia registrada que prove que o transplante pode funcionar em humanos. Afinal, a cabeça poderia rejeitar o novo corpo, e o corpo também poderia apresentar incompatibilidades com a cabeça.

Apesar dos riscos envolvidos, Valery se voluntariou para servir de cobaia e deve ser oficialmente o primeiro paciente a encarar o desafio. “Se tenho medo? Sim, é claro que tenho. Mas não é apenas muito assustador, é também muito interessante. Você tem que compreender que eu de fato não tenho muitas opções… Se não tentar isso, meu destino vai ser triste. A cada ano minha condição está ficando pior”, explica.

Há controvérsias

Outros médicos especialistas, contudo, não estão muito confiantes de que a operação seja uma boa ideia. Hunt Bätjer, da Associação Americana de Cirurgiões Neurológicos, afirma que o principal problema é a conexão da medula espinhal e que o paciente poderia ser incapaz de se mover e de respirar sozinho.

Outro médico renomado, Arthur Caplan, também é contrário ao experimento: “Os corpos acabariam se sobrecarregando com muitos caminhos químicos diferentes e ficariam loucos. Não é como se você pudesse desparafusar uma cabeça e recolocá-la em outra pessoa”.

Via EmResumo

Você sabia que o Megacurioso está no Instagram, Facebook e no Twitter? Siga-nos por lá.