Esta mulher se formou na universidade onde foi abandonada quando era bebê
477
Compartilhamentos

Esta mulher se formou na universidade onde foi abandonada quando era bebê

Equipe MegaCurioso
Último Vídeo

Em novembro de 1984, uma aluna da Universidade de São Francisco, nos EUA, teve um bebê indesejado. Por motivos ainda desconhecidos, essa universitária deixou a recém-nascida em uma caixa na lavanderia da própria instituição. À época, quem encontrou a criança foi o estudante Patrick Coughlan, que gritou por ajuda e foi auxiliado pela universitária Esther Raiger, que prestou os primeiros socorros ao bebê.

Felizmente, Esther era estudante de enfermagem e soube checar os sinais vitais da criança e deixá-la aquecida adequadamente até que a equipe de paramédicos chegasse ao local – Esther sabia que o bebê estava sujeito a infecções, já que seu cordão umbilical estava inflamado. Enquanto massageava o bebê, ela percebeu também que a pele da criança ainda estava úmida devido ao parto – ou seja: fazia pouco tempo que a garotinha tinha nascido.

Algum tempo depois, a criança encontrada na lavanderia foi adotada por Sam e Helene Sobol, que a deram o nome de Jillian Sobol e garantiram que ela crescesse em um ambiente amoroso e saudável. O casal já tinha adotado um menino, e a garota ficou sabendo a história de sua origem quando chegou à adolescência – assim que soube de tudo, fez questão de procurar Esther e Patrick, mas ele tinha morrido há alguns anos.

“Eu escrevi uma carta a ela [Esther], apenas dizendo, ‘eu sei que nós nunca nos conhecemos, mas você foi uma grande parte da minha vida e eu espero encontrá-la um dia’”, contou a jovem. Felizmente, a carta foi respondida e algum tempo depois a família reencontrou a mulher que, em 1984, salvou a vida de Jillian.

Conquistas e reencontros

Esther e Jillian.

Hoje essa mesma Jillian já é adulta, tem total conhecimento sobre sua história e acabou de se formar em Hotelaria e Turismo pela própria Universidade de São Francisco, onde foi encontrada por Esther um dia. Um de seus objetivos agora é conhecer sua mãe biológica – ela já conhece o pai biológico, que esteve em sua formatura, inclusive. “Há muito otimismo com relação ao futuro, mas agora o que importa é a formatura”, comentou.

No dia de sua formatura, Jillian contou com a presença ilustre de Esther e de seus pais, logicamente – os adotivos e o pai biológico. “E cada vez que eu os via, eu apenas tentava não chorar porque eles representam o mundo para mim”, disse a formanda, em declaração publicada no The Washington Post.

A própria instituição não tinha conhecimento da história de Jillian, que esperou até o começo do ano para contar ao diretor da universidade a respeito de sua relação com aquele lugar: “Isso me ajudou a fechar o ciclo e me ajudou emocionalmente a dizer as palavras para as pessoas que precisavam ouvi-las”, disse ela. “Eu não sinto nada além de amor e alegria”, comemorou.

Você sabia que o Megacurioso está no Instagram, Facebook e no Twitter? Siga-nos por lá.