Conheça o Homem do Machado de New Orleans: amante de jazz e serial killer

Conheça o Homem do Machado de New Orleans: amante de jazz e serial killer

Último Vídeo

Assassinos em série sempre causam comoção. Quem não se lembra do maníaco do parque ou nunca ouviu falar do bandido da luz vermelha? Essas pessoas têm sempre características específicas e passam despercebidas onde vivem, mas são capazes de praticar crimes cruéis. E com o Homem do Machado de New Orleans não foi diferente.

Ele cometeu seus crimes entre maio de 1918 e outubro de 1919, pouco mais de 1 ano, mas foi o suficiente para aterrorizar os moradores da cidade com pesadelos de um homem brandindo seu machado diante de suas camas.

MapaMapa dos locais onde os crimes ocorreram

No total ele fez 11 vítimas e não tinha restrições a mulheres ou crianças, mas em sua maioria eram descendente de italianos, o que levou a polícia a acreditar que os crimes tinham ligação com a máfia. Como todo "bom" assassino em série, ele tinha suas excentricidades. Chegou a publicar em um jornal local que as casas que estivessem tocando jazz não seriam atacadas, e isso criou uma teoria de que na verdade ele era um entusiasta de música que tentava promover o gênero. Vai entender...

Apesar de nunca ter sua identidade confirmada e os crimes ligados a ela, acredita-se que seu nome era Joseph Mumfre. Ele teria saído da cidade, em direção a Los Angeles, onde foi morto em dezembro de 1919 pela viúva de sua última vítima! Ela viu o assassino de seu marido fugindo da cena do crime e posteriormente acabou sendo presa — ela mesma matou Joseph. Duas possibilidades foram levantadas: ela tinha certeza de quem matou ou houve uma coincidência muito grande, pois após a morte de Joseph nenhuma outra vítima teve a vida interrompida por um machado.

Como sua história — seja ele quem for — acabou se tornando famosa, o Homem do Machado de New Orleans é até hoje citado em séries, como "American Horror History: Coven", e em vários álbuns de jazz.

Você sabia que o Megacurioso está no Instagram, Facebook e no Twitter? Siga-nos por lá.