Seja o primeiro a compartilhar

Caso Eliza Samudio: o crime que prendeu um ex-atleta do Flamengo

ATENÇÃO: este texto pode ter conteúdos sensíveis por abordar um caso real.

Seis meses após conquistar o título de campeão brasileiro de futebol pelo Flamengo em 2009, Bruno Fernandes de Souza — o "goleiro Bruno" — foi do céu ao inferno. Com o desaparecimento da ex-modelo Eliza Samudio, que cobrava judicialmente do atleta o reconhecimento de paternidade, o então goleiro e capitão da equipe carioca foi definido como um dos principais suspeitos de ordenar o assassinato da moça.

Em agosto de 2009, Eliza havia procurado jornalistas para informar que estava grávida de 3 meses do jogador. No mesmo período, Bruno fora denunciado por sequestro, agressão e ameaças à modelo. Segundo relatos de um dos acusados pelo crime, a jovem teria sido estrangulada e esquartejada; seus restos mortais, concretados em Minas Gerais.

Acusações de agressão

(Fonte: Marcelo Theobald/Agência O Globo)(Fonte: Marcelo Theobald/Agência O Globo)

Em outubro de 2009, Eliza registrou um boletim de ocorrência na Delegacia de Atendimento à Mulher de Jacarepaguá, no Rio de Janeiro (RJ). Segundo ela, Bruno e dois amigos, Luiz Henrique Ferreira Romão "Macarrão" e o ex-PM Marco Antônio Figueiredo "Russo" teriam ameaçado matá-la caso não fizesse um aborto.

No relato, o jogador do Flamengo a teria estapeado e obrigado a ingerir substâncias abortivas sob a mira de um revólver. O laudo do Instituto Médico Legal apontou "vestígios de agressão", mas o processo não foi para frente após Eliza não comparecer às audições por medo de represálias.

Planejamento do assassinato 

(Fonte: Wikimedia Commons)(Fonte: Wikimedia Commons)

De acordo com a denúncia apresentada pelo Ministério Público de Minas Gerais, Eliza foi assassinada em 10 de junho de 2010, 6 dias após seu desaparecimento, em um sítio localizado em Vespasiano, na Região Metropolitana de Belo Horizonte. O espaço teria sido alugado para mantê-la refém.

Após o depoimento de uma amiga de Eliza, 3 semanas após seu sumiço, policiais foram até o imóvel de Bruno na cidade de Esmeraldas, próximo a Belo Horizonte, mas não encontraram qualquer sinal da modelo ou de seu filho. A mulher do goleiro, Dayanne Rodrigues, chegou a negar a presença do bebê no sítio, fato que foi desmentido pelo funcionário Wemerson Marques "Coxinha".

Em depoimento, Coxinha confessou ter recebido a criança das mãos de Dayanne e repassado para um terceiro — o filho de Bruno foi entregue para uma mulher em Ribeirão das Neves, onde foi encontrado em 26 de junho de 2010. Após a descoberta de uma localização em Vespasiano, as autoridades realizaram uma nova varredura e encontraram fraldas, roupas femininas e uma passagem com nome ilegível dentro do imóvel. No carro do atleta havia manchas de sangue de Eliza no assoalho e no porta-malas, conforme comprovado pelo relatório da perícia. 

O que aconteceu com o corpo de Eliza Samudio

(Fonte: Jair Amaral/EM/D.A PRESS)(Fonte: Jair Amaral/EM/D.A PRESS)

Jorge Rosa, primo de Bruno que na época tinha 17 anos, afirmou em depoimento ter sido convidado por Macarrão para ajudar a levar Eliza a Belo Horizonte e depois como refém até o sítio do atleta em Esmeraldas, onde ela ficou trancada em um quarto com o filho.

A modelo foi obrigada por outro primo do jogador, Sérgio Rosa, a telefonar para uma amiga em São Paulo e dizer que estava bem, que Bruno pagaria a pensão e daria um apartamento para ela morar em BH. Em 10 de junho de 2010, Eliza foi levada até Vespasiano, no interior de Minas Gerais, onde foi recebida pelo ex-policial Marcos Aparecido dos Santos "Bola" em outro imóvel. No local, Bola a sufocou até a morte.

Segundo Sérgio, Bruno teria acompanhado todo o processo, mas decidiu voltar para Esmeraldas com Macarrão e o bebê depois que Bola disse que a esquartejaria e daria aos cães. Sérgio ainda afirmou que a intenção de Bruno era matar a criança no local, porém o jogador mudou de ideia na hora.

O corpo de Eliza Samudio jamais foi encontrado pelas autoridades de Minas Gerais.

Onde estão os acusados pela morte de Eliza

(Fonte: Veja/Reprodução)(Fonte: Veja/Reprodução)

Condenado em novembro de 2012 a 15 anos de cadeia por homicídio triplamente qualificado (motivo torpe, asfixia e impedimento de defesa da vítima) e mais 3 anos em regime aberto por sequestro e cárcere privado, em 2018 Macarrão obteve liberdade condicional após assinar um acordo com a Justiça em Pará de Minas, onde estava encarcerado.

Bola recebeu pena de 19 anos de prisão em regime fechado pelo homicídio de Eliza e mais 3 anos por ocultação de cadáver. Atualmente, ele cumpre prisão domiciliar em decorrência da pandemia de coronavírus.

Em 8 de março de 2013, Bruno foi condenado a 17 anos e 6 meses em regime fechado por homicídio triplamente qualificado, 3 anos e 3 meses em regime aberto por sequestro e cárcere privado e 1 ano e 6 meses por ocultação de cadáver, totalizando 22 anos e 3 meses. Em 2019, chegou a progredir para o regime semiaberto. Em 2020, foi contratado pelo Rio Branco, do Acre, e atuou como goleiro titular na Série D do Campeonato Brasileiro. 

Você sabia que o Megacurioso está no Instagram, Facebook e no Twitter? Siga-nos por lá.

Comentários

Você já percebeu que passamos por algumas mudanças por aqui, né? Uma delas é melhorar também o nosso campo de comentários - e nada melhor do que você, nosso leitor, para nos ajudar e garantir que a gente esteja no caminho certo. Substituímos temporariamente nossos comentários por uma pesquisa rápida para implementarmos mais uma melhoria. Como você acredita que nossa interação pode ser mais próxima aqui?

CLIQUE AQUI PARA RESPONDER