Veja a história do garotinho que falam ser a reencarnação de um fuzileiro
313
Compartilhamentos

Veja a história do garotinho que falam ser a reencarnação de um fuzileiro

Último Vídeo

Acredite você em reencarnação ou não, provavelmente já ouviu falar de pessoas que afirmam se lembrar de suas vidas passadas, normalmente se retratando como alguma figura histórica de importância. Ainda assim, é bem mais difícil de encontrar relatos em que essas afirmações venham de uma criança de quatro anos de idade, indicando que ela pode ter conexões com um soldado falecido há 31 anos.

O garoto se chama Andrew Lucas e vive no estado norte-americano de Virginia. Segundo as alegações de seus pais e dos produtores de um reality show chamado “Ghost Inside My Child” (algo como “O Fantasma Dentro do Meu Filho”), algumas frases inesperadas ditas pela criança levaram a investigações que indicam que ele pode ser a reencarnação de um fuzileiro naval que morreu em 23 de outubro de 1983 em um bombardeio na cidade de Beirute, no Líbano.

Segundo Michele Lucas, a mãe de Andrew, o garoto começou a chorar histericamente certo dia e, quando questionado sobre o que havia acontecido, respondeu com a frase “por que você me deixou morrer naquele fogo?”. Desde então, ela afirma que seu filho vem falando e lembrando-se de coisas que ninguém com sua idade deveria saber.

Fato ou sugestão?

Ainda que muitas pessoas acreditem em reencarnação, incluindo personalidades religiosas como o Dalai Lama, não existem quaisquer provas científicas de que tenhamos vidas passadas. Normalmente, supostas memórias de outras encarnações surgem durante psicoterapia ou sessões de hipnose, quando as pessoas são encorajadas a fantasiar sobre quando eram outras pessoas.

Por mais que a quantidade de relatos seja grande, a reencarnação continua sem provas porque as pessoas que afirmam lembrar-se de sua vida passada não fornecem detalhes que possam ser confirmados e sejam historicamente precisos sobre outras eras. Além disso, também é frequente que esses relatos tenham informações obviamente tiradas de filmes e programas de televisão, um processo que os psicólogos chamam de confabulação.

Estudando mais profundamente a história de Andrew, surgem algumas perguntas que podem jogar luz sobre a situação. Quando pensamos sobre que motivos o levaram a lembrar de coisas que nunca aconteceram com ele, a resposta mais provável é de que ele na verdade não esteja se lembrando de nada, pois há muitos sinais fortes sugerindo que as “memórias” dele não passam de comentários mal interpretados ou exageradamente analisados.

Falhas de investigação

Quando a criança fez a pergunta sobre sua morte para a sua mãe, ela interpretou que a questão não vinha de seu filho de quatro anos, mas sim de uma pessoa mais velha. Ainda assim, por que um soldado adulto perguntaria a ela, uma mulher que não deveria conhecer, os motivos para que ela o tenha “deixado morrer no fogo”? Tudo parece indicar que, na verdade, essa fala era o próprio garoto falando com sua mãe, possivelmente sobre um sonho que teve.

Andrew também mencionou um endereço na Main Street na cidade de Sumter, Georgia. Incapazes de encontrar qualquer coisa que confirmasse as informações de seu filho, os pais do garoto procuraram os produtores do programa sobre crianças assombradas por fantasmas. Encontrando várias possíveis correspondências com os dados fornecidos pela fala da criança, eles escolheram o sargento Val Lewis como a origem mais provável das “memórias”.

Observando as técnicas de investigação utilizadas pelos pais de Andrew e pelos produtores do programa de TV. Em certo ponto, por exemplo, eles mostram a ele uma foto com seis soldados que serviram junto ao sargento e morreram no mesmo bombardeio. A mãe então pergunta “Esses eram seus amigos?”, o que o garoto responde falando que sim e acenando com a cabeça.

Ela continua, pedindo que ele indique com quais deles ele era muito amigo, ao que o garoto de quatro anos responde que “era amigo deles, muito – de todos eles”. Por mais que seja difícil de comprovar, o fato de que o garoto respondeu imitando quase todas as palavras usadas pela mãe pode ser um indício de que ele esteja simplesmente respondendo o que acha que ela quer ouvir.

Como se faz

A criança também declara que os homens da foto agora estão todos mortos, informação que levanta outras perguntas. Mesmo que o garoto realmente seja a reencarnação do sargento Lewis, como poderia saber que a bomba que o matou também acabou com a vida de todos os seus companheiros? Por mais improvável que seja, seria possível que alguns deles tivessem sobrevivido ao bombardeio, detalhe que Andrew só deve saber porque ouviu de alguém.

Como qualquer policial devidamente treinado deve saber, um método mais confiável de investigação seria mostrar ao garoto várias fotos com pessoas associadas ao sargento e com outros que ele não conheceria, e então perguntado quais ele reconhecia. Outro método válido seria pergunta a Andrew os nomes e sobrenomes de seus seis amigos, algo que o sargento certamente saberia, mas a criança não – a menos que tivesse sido treinada.

Por fim, não fica claro como a família e os produtores determinaram que o fuzileiro era a origem mais provável das “memórias” do garoto. Segundo o Huffington Post, a equipe do programa afirma que os pais de Andrew descobriram a conexão por conta própria, enquanto Michelle Lucas diz que foram os produtores do reality show que descobriram o sargento. Seja como for, nenhum membro da família de Lewis foi encontrado para confirmar detalhes sobre sua vida.

Foi sem querer querendo

Independentemente de a história ser real ou não, parece improvável que ela tenha sido simplesmente inventada para propositalmente enganar alguém, mas sim que se trate do resultado de uma série de mal entendidos, erros de interpretação e métodos falhos de investigação. Dessa forma, os comentários inesperados de Andrew teriam sido tomados de forma literal e então encorajados por seus pais e pelos produtores de TV.

Ainda que seja uma prática comum em reality shows que envolvem o público infantil, isso tudo levanta perguntas também sobre a preocupação dos envolvidos com a saúde mental da criança. Afinal, ouvir seus pais e outras figuras de autoridade falarem que o fantasma de um desconhecido morto vive em seu corpo e mente parece algo assustados para pessoas de quaisquer idades.

E você, acredita que Andrew realmente pode ser a reencarnação de um soldado falecido? Acha que a história é só mais uma tentativa de obter pontos de audiência? Deixe sua opinião nos comentários – mas não se esqueça de respeitar a crenças alheias.

Você sabia que o Megacurioso está no Instagram, Facebook e no Twitter? Siga-nos por lá.