Inacreditável: conheça a história do cara que sobreviveu 382 dias sem comer
492
Compartilhamentos

Inacreditável: conheça a história do cara que sobreviveu 382 dias sem comer

Último Vídeo

Para adultos saudáveis, não existem muitas restrições em guardar jejum por intervalos curtinhos de tempo. No entanto, permanecer por períodos prolongados demais sem consumir alimentos pode ser extremamente perigoso. Tipicamente, a maioria das pessoas é capaz de sobreviver sem comida durante algumas semanas, mas, como você sabe, inevitavelmente, ficar sem ingerir nada pode levar à morte.

É por essa razão que a história que vamos contar a seguir é extraordinária, já que ela envolve um homem que sobreviveu durante nada menos do que 382 dias — ou seja, mais de 1 ano! — sem comer. De acordo com Kevin Loria, do portal Business Insider, o caso se refere ao jovem escocês de 26 anos chamado Angus Barbieri, que decidiu jejuar para perder peso em meados dos anos 60.

Regime extremo

Antes de contarmos a história de Angus, é importante destacar que esse papo de parar de comer de uma hora para outra não foi uma coisa que ele decidiu fazer por conta própria simplesmente porque queria emagrecer alguns quilinhos. Segundo Kevin, o escocês estava perigosamente acima do peso e decidiu procurar ajuda de especialistas da Escola de Medicina da Universidade de Dundee, na Escócia.

O gordinho fez a dieta com acompanhamento médico

De acordo com os registros médicos, Angus pesava mais de 200 quilos e o objetivo era que ele baixasse para 80 quilos. Assim, em um primeiro momento, os especialistas sugeriram que ele fizesse jejum durante alguns dias para dar o pontapé inicial em sua dieta. Entretanto, os dias se transformaram em semanas e, animado com os resultados, o jovem gordinho decidiu permanecer sem comer.

Angus se limitava a consumir chás, café e água com gás, que são itens desprovidos de calorias, e ocasionalmente colocava uma gotinha de leite ou uma pitadinha de açúcar em suas bebidas para dar um gostinho. Enquanto seguiu o regime, Angus permaneceu boa parte do tempo em sua casa e ia a consultas médicas regulares — chegando a ficar internado diversas vezes com o objetivo de realizar baterias de exames e permanecer em observação.

Incrivelmente, os médicos comprovaram através dos testes que Angus de fato estava seguindo o jejum religiosamente e descobriram que, apesar de ele estar extremamente hipoglicêmico, seu organismo estava reagindo bem. Durante o regime, os especialistas receitaram suplementos vitamínicos ao rapaz, incluindo sódio e potássio e, depois de 382 dias, Angus chegou aos 80 quilos.

Volta à normalidade

O mais interessante é que, apesar de os médicos que atenderam o escocês não acreditarem que ele manteria o peso, a verdade é que, cinco anos depois de passar pelo jejum, ele só tinha recuperado 8 quilos (dos 120 que ele emagreceu!). Sobre voltar a ingerir alimentos, Angus contou que, após passar tanto tempo sem comer, ele havia se esquecido do gosto da comida.

Imagine ficar tanto tempo se comer!

E você ficou curioso a respeito de qual foi a primeira coisa que ele comeu após ficar mais de 1 ano sem pôr comida na boca? Foi um café da manhã que consistiu em uma torrada com manteiga, um ovo cozido e uma xícara de café preto e, segundo disse, ele realmente curtiu o “banquete” e se sentiu estufado depois.

Uma curiosidade interessante é que esses regimes malucos baseados em períodos de jejum eram relativamente populares entre as décadas de 60 e 70, mas acabaram sendo substituídos por opções mais saudáveis devido aos riscos envolvidos. Sendo assim, acordo com Kevin, apesar de o caso do regime de Angus ser o mais extremo, ele não foi a única pessoa da História a sobreviver por longos intervalos de tempo sem comer.

Períodos de jejum prolongados podem ser muito perigosos. Não se arrisque!

Um estudo publicado em 1964 — sobre as vantagens do jejum prolongado no combate à obesidade — apontou que um dos participantes teria ficado 117 dias sem comer, enquanto outros dois teriam jejuado por mais de 200. Um faleceu durante o período de reintrodução alimentar. Ademais, um cara chamado Dennis Galer Goodwin teria feito greve de fome por 385 dias para provar sua inocência em caso de estupro, até ser forçado a se alimentar por meio de uma sonda.

O fato é que, apesar de esses casos extremos servirem para demonstrar a espantosa capacidade do corpo humano de sobreviver a partir das próprias reservas de gordura (se elas forem abundantes, evidentemente), esse tipo de abordagem para a perda de peso é bastante perigosa. Afinal, após consumir a gordura, o organismo começa a queimar massa muscular, e isso pode resultar em um dramático aumento no risco de que o coração pare de funcionar.

Você sabia que o Megacurioso está no Instagram, Facebook e no Twitter? Siga-nos por lá.