O beijo também mostra se o relacionamento pode ou não dar certo (Fonte da imagem: Reprodução/CNN)

É fato que o ser humano tem o forte instinto de querer se conectar com outra pessoa através do beijo, ato que possui diferentes estilos moldados por costumes e experiências pessoais. O que poucos sabem são os efeitos que esta simples ação pode causar. Apenas no plano físico, o beijo envolve 5 dos 12 nervos craniais e ainda leva impulsos elétricos para 4 partes do corpo: cérebro, lábios, língua e pele.

Além disso, o beijo também é um potente coquetel de mensageiros químicos no organismo. Segundo a CNN, cientistas descobriram que um beijo apaixonado pode ser viciante, agindo como uma droga no nosso sistema. Tudo isso ocorre porque o ato de beijar libera a dopamina, substância também encontrada nos sintomas ocasionados por drogas ilegais, como a cocaína. 

A dopamina envolve a sensação de recompensa e nos faz sentir euforia, insônia e até mesmo perda de apetite. É por isso que uma paixão pode ser tão viciante.

O beijo e o nariz definem o relacionamento

Sua forma de beijar também é um teste decisivo para saber se o relacionamento pode ou não dar certo. Psicólogos da Universidade Estadual de Nova York, em Albany, divulgaram que, em uma pesquisa, 59% dos homens e 66% das mulheres afirmaram que já haviam terminado um relacionamento devido a um beijo ruim.

Além da boca, outro órgão de grande importância no nosso julgamento é o nariz. Incrivelmente, a partir de um cheiro específico — não somente do mau hálito — podemos definir o destino do relacionamento. Isso acontece por cada pessoa possuir um aroma natural distinto que nos ajuda a buscar um parceiro com DNA compatível.

Pesquisadores também descobriram que, inconscientemente, as mulheres se sentem mais atraídas por homens que exalam um cheiro com um conjunto de genes que complementam seus sistemas imunológicos. Já pensando no futuro, caso tiverem filhos, isso significaria que as crianças nasceriam mais fortes contra doenças.