(Fonte da imagem: Thinkstock)

Um artigo, publicado pelo The New York Times, sugere que, para algumas pessoas, realizar atividades físicas pode na verdade ser prejudicial à saúde. Um estudo, realizado por um grupo de pesquisadores, concluiu que para alguns de nós, ao contrário do que a maioria pensa, fazer exercícios pode ser prejudicial.

Os cientistas avaliaram como 1.687 indivíduos reagiram a exercícios físicos rigorosos, descobrindo que 10% deles apresentaram pioras em um ou mais quadros relacionados a problemas cardíacos, tais como níveis de insulina, colesterol HDL e pressão arterial. Em contrapartida, dos 90% de participantes restantes, a mesma proporção — ou seja, outros 10% — mostraram melhoras significativas com relação aos mesmos índices.

Resultados bizarros

O mais curioso, entretanto, é que os pesquisadores não sabem dizer qual é a causa dessa piora, simplesmente admitindo que a descoberta é totalmente bizarra. Além disso, a equipe teme que os resultados sirvam de pretexto para que os preguiçosos — aqueles que buscam qualquer desculpa para não se mexer — abandonem suas rotinas de exercícios.

Enquanto a maioria dos estudos sobre os efeitos das atividades físicas sobre o organismo afirma que estes são benéficos, poucas pesquisas são realizadas no sentido de avaliar se as pessoas realmente passam a padecer de menos problemas de saúde ou vivem mais.

Mas os pesquisadores parecem concordar com um aspecto que ficou claro com este novo estudo: algo que seja considerado como muito bom para a maioria pode não ser tão benéfico assim para uma pequena minoria.

Fontes: The New York Times e PLoS One