8 ideias bizarras que já foram propostas para salvar o mundo
720
Compartilhamentos

8 ideias bizarras que já foram propostas para salvar o mundo

Último Vídeo

Se pararmos para pensar na quantidade de problemas que surgem da interação entre os seres humanos e o planeta, nos deparamos com uma lista considerável. Temos desafios com relação a mudanças climáticas, conservação da vida selvagem, desmatamento, destruição da camada de ozônio, poluição da água e do ar, degradação e desertificação de terras e muito mais.

Com o passar dos anos, tomamos cada vez mais consciência dos efeitos que temos sobre o mundo em que vivemos e ações para fazer nossa parte para melhorar o ambiente se tornam mais comuns. Algumas ideias para ajudar o planeta são bem simples, como fazer reciclagem, utilizar sacolas de tecido nos supermercados e trocar o carro pela bicicleta para ir trabalhar.

No entanto, também existem outras propostas para salvar o meio ambiente que são muito mais caras e complicadas – e, em alguns casos, simplesmente malucas. A seguir, mostramos um apanhado das ideias mais estranhas para cuidar da natureza.

8 – Dia da caça

Se você não se importa de perder alguns amigos nas redes sociais (e ganhar o apoio veemente dos fãs de cachorros), diga que não gosta de gatos. Agora, se você quer uma multidão de perseguidores gritando por sua cabeça, proponha leis para banir os bichanos.

O economista neozelandês Gareth Morgan fez proclamações quase tão impressionantes quanto essa após observar dados que indicam que a introdução dos gatos domésticos foi responsável pela extinção ou pela grande redução da população nativa de pássaros do país. De fato, os felinos de estimação são os principais culpados pelo fim de nove espécies e fizeram outras 33 se tornarem ameaçadas.

Morgan não defendeu a total remoção da população de gatos da Nova Zelândia (que excede 1,4 milhão de bichinhos), mas propôs que os donos tomem uma série de medidas para minimizar a efetividade de seus pequenos caçadores. Entre elas estão amarrar um sino em suas coleiras, mantê-los dentro de casa e capturar e entregar bichanos de rua às autoridades.

Fonte da imagem: Reprodução/Papéis de Parede HD

7 – Força dos tornados

Por mais que estejamos cansados de saber que fontes de energia como carvão, petróleo e gás natural causam danos ao ambiente, continuamos sem encontrar respostas definitivas para a busca de fontes de energia que consigam substituir plenamente essas matérias-primas, atingindo os níveis atuais de demanda mundial por eletricidade.

No entanto, a procura de meios limpos de produção de força levou inventores e investidores a levantarem incontáveis propostas. Um exemplo inusitado é um engenheiro canadense que recebe o apoio do bilionário Peter Thiel e está trabalhando em uma ideia que promete transformar tornados em uma fonte de energia livre de carbono.

Denominado Motor de Vórtice Atmosférico (AVE, na sigla em inglês), o invento busca criar turbilhões controlados, ao estilo de tornados, que seriam então utilizados para mover turbinas e gerar eletricidade limpa.

Fonte da imagem: Reprodução/Bahia Mercantil

6 – Energia marrom e amarela

Nem sempre as tecnologias “verdes” são sinônimas de limpeza. Um bom – e inesperado – exemplo é a produção de força a partir de fezes e urina. Detritos líquidos e sólidos, tanto humanos quanto de animais, já são alvo de uma grande variedade de estudos que buscam aplicá-los na melhoria do ambiente.

A conversão de fezes em metano se mostrou um negócio não apenas possível, mas também bastante lucrativo. Exemplo disso é uma fazenda da Pensilvânia, nos EUA, que passou a economizar US$ 60 mil (quase R$ 142 mil) por ano ao usar os 18 mil galões de esterco produzidos por suas 600 vacas para criar metano, utilizado para energizar suas instalações.

A energia do cocô é tão promissora que até a Google investiu mais de US$ 1,2 milhão em um estabelecimento que coleta metano dos detritos de porcos. E com a ajuda de bactérias, até a urina pode se tornar uma ótima fonte de força, como é o caso dos germes capazes de oxidar a amônia do xixi e transformá-la em hidrazina, um combustível de foguetes.

Fonte da imagem: Reprodução/Discovery News

5 – Bombas de árvores

Considerando que a economia em torno de conflitos armados é muito mais expressiva do que a normalmente ligada a medidas em prol da natureza, talvez abraçar os impulsos destrutivos naturais dos seres humanos seja uma boa forma de fazer bem ao ambiente.

Segundo o jornalista de ecologia Brian Merchant, aviões militares obsoletos que costumavam ser utilizados para lançar minas terrestres poderiam ser adaptados para literalmente bombardear florestas com novas árvores. A medida não apenas evitaria que os veículos fossem deixados enferrujando em hangares, como ainda possibilitaria a plantação de cerca de 900 mil sementes por dia.

Fonte da imagem: Reprodução/Discovery News

4 – Brisa dos vulcões

Durante um grande incidente de atividade vulcânica, uma série de gases e partículas de aerossóis são lançados em direção à estratosfera e podem se espalhar pelo planeta ao longos dos dias e semanas seguintes. Embora alguns desses elementos, como o dióxido de carbono, possam promover o aquecimento global, a mistura também contém compostos como o dióxido de enxofre, que tem o efeito oposto.

Ainda que induzir erupções vulcânicas seja uma ideia inviável (e provavelmente indesejável), cientistas vêm realizando simulações em computadores que exploram a ideia de emitir na atmosfera aerossóis que teriam efeitos similares aos gases capazes de promover o resfriamento global.

Fonte da imagem: Reprodução/Discovery News

3 – Prisão em pedra

Enquanto as emissões mundiais de carbono continuam crescendo, a prática de captura e armazenamento do excesso desse elemento na atmosfera (conhecida como “sequestro de carbono”) vem se tornando cada vez mais necessária para mitigar as mudanças climáticas. No entanto, uma solução simples e potencialmente efetiva para essa questão que está a nossa disposição pode vir de uma fonte inesperada: rochas.

Existem minerais chamados peridotitos que possuem a capacidade de capturar dióxido de carbono diretamente da atmosfera e estão disponíveis na natureza em relativa abundância. O país de Omã, por exemplo, possui uma reserva desse tipo de rocha que mede cerca de 10,5 mil metros quadrados.

No caso de toda essa quantidade do material ser exposta ao carbono no ar (coisa que pesquisadores admitem ser implausível), ela seria o suficiente para armazenar 4 mil anos de emissões humanas.

Fonte da imagem: Reprodução/Discovery News

2 – Filé de grilo

Embora bovinos, suínos e galináceos sejam as fontes predominantes de alimento animal no mundo, a energia necessária para criá-los, quando combinada aos dejetos que produzem, os torna uma fonte de poluição significativa. Para instigar uma mudança nos hábitos alimentares dos consumidores sem forçá-los a se tornarem vegetarianos, estudiosos vêm defendendo a ideia de acrescentarmos insetos aos nossos menus.

A comida feita com base em determinados tipos de vermes e outros bichinhos pode se mostrar como uma alternativa não apenas mais barata, mas também melhor para o ambiente. Os insetos precisam de menos espaço para criação, menor quantidade de energia para manter e não produzem tantos resíduos. Além disso, os pequenos animais são supostamente deliciosos – basta vencer o asco.

Fonte da imagem: Reprodução/Discovery News

1 – Nuvem-escudo espacial

Um problema tão mundial quanto as mudanças climáticas precisa de uma solução igualmente global. No entanto, caso medidas que envolvam redução das emissões dos gases do efeito estufa sejam desconsideradas, as opções que nos restam parecem muitas vezes saídas direto de filmes B de ficção científica.

Como exemplo, temos a sugestão de cientistas escoceses de que criemos uma nuvem de poeira que bloquearia a passagem dos raios solares em direção à Terra. Segundo os pesquisadores, um asteroide poderia ser utilizado como âncora gravitacional para a camada de pó, que refletiria a luz e resfriaria nosso planeta.

“Nós poderíamos ganhar tempo enquanto buscamos uma solução duradoura para combater a mudança climática”, afirmou o cientista espacial Russel Bewick. Ainda assim, colocar esse plano em ação parece muito mais complicado do que simplesmente encontrar novas formas de reduzir o desperdício de energia.

Fonte da imagem: Reprodução/Discovery News

E você, conhece outras ideias bizarras para os problemas ecológicos do mundo? Deixe sua opinião nos comentários.

Você sabia que o Megacurioso está no Instagram, Facebook e no Twitter? Siga-nos por lá.