4 tesouros arqueológicos líbios que podem sucumbir devido à violência
15
Compartilhamentos

4 tesouros arqueológicos líbios que podem sucumbir devido à violência

Último Vídeo

Embora a guerra civil na Líbia tenha terminado, o país ainda sofre com as consequências da revolução, sendo bastante comuns ataques e ações organizados por milícias. Apesar de o governo atual tentar conter a violência e frear a entrada de armas em seu território, a verdade é que o sucesso dessas atividades é — infelizmente — apenas moderado. E um grupo (entre tantos outros) afetado por esse triste desequilíbrio são os arqueólogos.

Durante a guerra, especialistas de todo o mundo criaram uma lista contendo as coordenadas dos sítios arqueológicos líbios, com o intuito de evitar que esses locais fossem bombardeados. Entretanto, agora que o conflito terminou, inúmeros arqueólogos foram proibidos de retornar ao país e aos trabalhos por questões de segurança, e os tesouros históricos se encontram sob o constante risco de serem atacados por saqueadores e rebeldes armados.

Volta ao trabalho vetada

Fonte da imagem: Reprodução/Nature

A Líbia conta com um tesouro arqueológico gigantesco, já que inúmeras culturas floresceram ou ocuparam a região ao longo da História. Assim, além de importantes sítios pré-históricos localizados ao longo da costa do Mediterrâneo, também é possível encontrar ruínas de antigos assentamentos romanos, gregos, egípcios, púnicos e berberes por todo o país. E entre essas ruínas, existem cinco que foram listadas como Patrimônio da Humanidade pela UNESCO.

Confira a seguir alguns dos sítios mais incríveis que se encontram em território líbio e entenda a razão de arqueólogos de todo o mundo estarem desesperados por voltar aos trabalhos e preservar esses fantásticos museus a céu aberto:

1 – Tadrart Acacus

Coordenadas: 24° 50′ 0″ N, 10° 20′ 0″ E.

Fonte da imagem: Reprodução/Smithsonian

A Tadrart Acacus é uma formação rochosa que faz parte do Saara, e sua importância arqueológica se dá devido a milhares de pinturas rupestres espalhadas por suas cavernas, algumas datando de 12 mil a.C. Além dos riscos relacionados com a violência, esses delicados desenhos também estão sob ameaça devido às técnicas de escavação para obtenção de petróleo que são utilizadas na área.

2 – Sabratha

Coordenadas: 32° 48′ 19.01″ N, 12° 29′ 6″ E.

Fonte da imagem: Reprodução/Smithsonian

A cidade de Sabratha foi construída pelos romanos às margens do Mediterrâneo há 2 mil anos, e foi um dos mais importantes postos comerciais da região. Hoje, o edifício que mais se destaca no conjunto é o antigo teatro, que contava com capacidade para 5 mil pessoas. Além disso, também foram encontrados vários mosaicos espalhados pela cidade.

3 – Leptis Magna

Coordenadas: 32° 38′ 17.99″ N, 14° 17′ 35.02″ E.

Fonte da imagem: Reprodução/Smithsonian

Fundada pelos fenícios aproximadamente no ano 1.100 a.C., a Leptis Magna mudou de “mãos” diversas vezes ao longo de sua História, sendo ocupada pelos fenícios, cartagineses, númidas e, eventualmente, pelos romanos após a Terceira Guerra Púnica em 146 a.C. Mais recentemente, no século 11, a cidade foi ocupada por um grupo árabe que a abandonou à própria sorte pouco tempo depois.

O sítio já foi descrito como “a mais bela cidade do Império Romano”, mas, depois de ter sido abandonada pelos árabes, Leptis Magna acabou soterrada pelas areias. Surpreendentemente, a cidade foi redescoberta por arqueólogos, e algumas de suas estruturas — como um porto artificial construído por Nero — continuam intactas.

4 – Cirene

Coordenadas: 32° 49′ 0″ N, 21° 51′ 0″ E.

Fonte da imagem: Reprodução/Smithsonian

Esta antiga cidade grega — infelizmente — foi destruída no século I devido a um fortíssimo terremoto que atingiu a região, ficando abandonada. No entanto, em 2005 um grupo de arqueólogos italianos descobriu 76 estátuas intactas, que ficaram protegidas sob uma parede que desmoronou durante o sismo por mais de 1.600 anos. Além dessas peças, Cirene também conta com uma enorme necrópole, várias outras estátuas e templos em seus limites.

Você sabia que o Megacurioso está no Instagram, Facebook e no Twitter? Siga-nos por lá.