De acordo com a ESA — agência espacial europeia —, a imagem que você acabou de ver acima não mostra um cometa gigante viajando pelo Universo. Na verdade, a ilustração revela o comportamento da ionosfera de Vênus durante um período com ventos solares de baixa pressão.

Segundo a agência, ao contrário da ionosfera da Terra, que se mantém relativamente estável devido ao forte campo magnético do nosso planeta, em Vênus — que não possui um campo magnético — essa região da atmosfera tem o seu formato e densidade determinados através da influência dos ventos solares.

Planeta-cometa

Contudo, a extensão dessa influência era pouco conhecida até agora, e graças às observações realizadas pela sonda Venus Express, os pesquisadores conseguiram avaliar o que acontece com a atmosfera de um planeta que não apresenta campo magnético. Durante as observações que resultaram na imagem divulgada, a densidade dos ventos solares era 50 vezes menor do que o normal, permanecendo dessa forma por 18 horas seguidas.

A ionosfera com formato de cauda de cometa começou a se formar entre 30 e 60 minutos após a diminuição da pressão dos ventos solares, e depois de um intervalo equivalente a dois dias terrestres, a ionosfera já contava com o dobro do tamanho do raio de Vênus. Assim, de acordo com os cientistas, as observações revelaram que até mesmo os períodos de pouca atividade solar são capazes de influenciar fortemente os nossos planetas vizinhos.