Conheça a família que sofre com a síndrome do lobisomem [galeria]
341
Compartilhamentos

Conheça a família que sofre com a síndrome do lobisomem [galeria]

Último Vídeo

De acordo com a Reuters, uma família nepalesa que sofre com hipertricose lanuginosa congênita, também conhecida como “síndrome do lobisomem”, passou por um tratamento recentemente. Isso porque a rara doença tem como principal característica o crescimento excessivo de pelos em lugares que eles não costumam aparecer. Por isso, basta observar as imagens para notar que a família tem pelos na região da testa, do nariz e das bochechas.

Devi Budhathoki, de 38 anos, é a mãe de três crianças, Manjura (14 anos), Niraj (12 anos) e Mandira (7 anos) e todos nasceram com a doença. Nara Bahadar Budhathoki, de 65 anos, é o pai das crianças e não sofre com a síndrome. Atualmente, a família vive em um vilarejo próximo a uma montanha no norte do Nepal, a 193 quilômetros da capital do país.

Uma doença rara

Mandira tem 7 anos e sofre com a síndrome do lobisomem. Fonte da imagem: Reprodução/Reuters

De acordo com o Medscape, foram relatados apenas 50 casos de hipertricose congênita desde a Idade Média. Destes, somente 34 casos foram devidamente diagnosticados e registrados. Sabe-se também que a doença é causada por uma mutação genética.

Séculos atrás, as pessoas que sofriam com a síndrome do lobisomem eram frequentemente tratadas como aberrações e também participavam de apresentações para atrair o público durante o século 19. Mesmo vivendo no século 21, a família conta que ainda recebe olhares de reprovação devido à sua condição, principalmente as crianças, que frequentam uma escola do vilarejo.

Por esse motivo, o Hospital Dhulikhel ofereceu um tratamento a laser gratuito para a família. Infelizmente, o resultado do procedimento não é permanente e as sessões terão que ser repetidas quando os pelos voltarem a crescer. Além disso, a remoção dos pelos a laser pode gerar efeitos colaterais, como cicatrizes, dermatite e hipersensibilidade.

Fonte da imagem: Reprodução/ReutersFonte da imagem: Reprodução/ReutersFonte da imagem: Reprodução/ReutersManjura, de 14 anos, antes do tratamento para remoção dos pelos. Fonte da imagem: Reprodução/ReutersFonte da imagem: Reprodução/ReutersManjura após o tratamento. Fonte da imagem: Reprodução/Reuters

Você sabia que o Megacurioso está no Instagram, Facebook e no Twitter? Siga-nos por lá.