Seja o primeiro a compartilhar

Floresta mais antiga do mundo com 385 milhões de anos é descoberta no EUA

Com três trilhões de árvores na Terra, superando até mesmo as estrelas na Via Láctea, essas maravilhas naturais desempenham papéis cruciais na manutenção do equilíbrio ambiental. No centro desse sucesso estão seus intrincados sistemas de raízes, fundamentais para a absorção de nutrientes e água.

Recentemente, uma descoberta fascinante na cidade do Cairo, no estado de Nova York (EUA), revelou a existência da floresta mais antiga do mundo, com raízes datando de 385 milhões de anos. Essa descoberta não apenas desafia nossas concepções sobre a evolução arbórea, mas também oferece visões valiosas sobre a história da vida na Terra.

Uma viagem ao passado pelas raízes antigas

Detalhes das raízes fossilizadas do Archaeopteris. (Fonte: Stein et al. / Current Biology)Detalhes das raízes fossilizadas do Archaeopteris. (Fonte: Stein et al. / Current Biology)

A descoberta no Cairo revelou uma floresta paleozoica de 385 milhões de anos, anterior ao surgimento das plantas produtoras de sementes. As raízes fossilizadas pertenciam ao Archaeopteris, um gênero que se acredita ter produzido a primeira "árvore moderna". Sua semelhança surpreendente com as raízes modernas destaca a eficácia evolutiva dessas estruturas ao longo do tempo.

Árvore do gênero Archaeopteris. (Fonte: Getty Images / Reprodução)Árvore do gênero Archaeopteris. (Fonte: Getty Images / Reprodução)

A presença do Archaeopteris no Cairo sinaliza uma verdadeira revolução no mundo vegetal. Características como folhas planas para absorção de luz solar, troncos robustos e um elaborado sistema de raízes proporcionaram uma vantagem adaptativa única. A combinação desses elementos marcou um salto evolutivo, permitindo que as árvores dominassem as florestas no final do Devoniano.

Adaptação ao ambiente: Cairo vs. Gilboa

Árvore do gênero Eospermatopteris. (Fonte: Getty Images / Reprodução)Árvore do gênero Eospermatopteris. (Fonte: Getty Images / Reprodução)

Gilboa, localizado a apenas 40 quilômetros a oeste do Cairo, foi amplamente considerada a floresta fóssil mais antiga do mundo antes da descoberta no Cairo. Em Gilboa, as florestas já haviam crescido repletas de Eospermatopteris, um gênero de plantas que se assemelha aos modernos fetos arbóreos. As árvores Eospermatopteris também eram uma presença constante no Cairo, sugerindo que a planta era uma espécie de generalista.

Contudo, a pesquisa revela que, ao contrário de Gilboa, onde as árvores Eospermatopteris eram predominantes, o Archaeopteris prosperou no solo seco do Cairo. A capacidade de desenvolver raízes profundas, combinada com períodos de seca e inundações ocasionais, deu a essas árvores antigas uma vantagem competitiva única na colonização de diferentes ambientes.

A descoberta da floresta mais antiga do mundo no Cairo oferece um vislumbre fascinante da evolução das árvores e de seus sistemas de raízes. A revolução trazida pelo Archaeopteris destaca como essas antigas maravilhas contribuíram para remodelar o planeta, desempenhando um papel crucial na regulação climática e na criação do mundo moderno. Hoje, enfrentamos um desafio semelhante com as mudanças climáticas, destacando a importância de preservar as florestas e reconhecer o papel vital das árvores na manutenção do equilíbrio ambiental. A história das árvores é, sem dúvida, a história do nosso planeta.

Você sabia que o Mega Curioso está no Instagram, Facebook e no Twitter? Siga-nos por lá.