(Fonte da imagem: Reprodução/LiveScience)

É muito normal quando uma pessoa gosta do toque de outra, como um namorado que gosta do carinho da namorada ou uma menina que detesta o toque de um pretendente. Dependendo do sentimento nutrido pela pessoa, a emoção causada pelo contato é muito diferente, podendo ir do prazer à raiva.

Até o começo do mês passado, não se sabia qual a causa dessas emoções e o motivo delas serem “ativadas” pelo toque. No entanto, uma pesquisa conseguiu determinar como o cérebro funciona em tais situações.

Para realizar a descoberta, os pesquisadores submeteram um time de homens heterossexuais ao toque sensual de mulheres — embora eles fossem induzidos a acreditar que algumas carícias eram feitas por outros homens. Enquanto isso, o cérebro dos voluntários foi monitorado, de forma que a reação de cada um deles pudesse ser estudada.

E os resultados?

Descobriu-se que a região do cérebro chamada Córtex Somatossensorial Primário — responsável por “sentir” toques físicos primários — reagiu mais aos toques considerados femininos. Além disso, os participantes também alegaram que sentiam prazer ao serem tocados por uma mulher, sentindo exatamente o contrário quando o toque era masculino.

Levando em consideração a irrigação desigual de sangue no cérebro, os cientistas concluíram que o órgão leva em consideração fatores sociais na hora de processar o sentido físico do tato. Ou seja, eles constataram que nada no cérebro humano é realmente objetivo, pois a percepção é feita de um modo “profundo e penetrante”, levando em consideração tudo aqui que pensamos.

Fonte: LiveScience