5 dicas preciosas para quem quer deixar a preguiça de lado
93
Compartilhamentos

5 dicas preciosas para quem quer deixar a preguiça de lado

Último Vídeo

Preguiça. Não adianta negar nem tentar mudar de assunto: até a pessoa mais ativa do mundo já teve seus dias da mais pura preguiça, aquela falta de vontade de fazer qualquer coisa, quando tudo o que mais se deseja é ficar em casa, na cama, olhando para o teto.

Como todo mundo tem seus momentos de preguiça, já podemos imaginar que ela é um sentimento inerente à condição humana. O problema é quando a preguiça é tanta que acaba atrapalhando as nossas vidas, nos impedindo de dar prosseguimento a planos que não poderiam ser cancelados. O lado bom é que existe como deixar a preguiça de lado, e as dicas que Eric Baker pediu para Cal Newport, que consegue driblar a vontade de não fazer nada e ser uma pessoa de sucesso, podem mudar a sua vida. Confira:

1 – Não faça listas, crie uma agenda

Sabe aquela listinha de coisas que você precisa fazer durante o dia ou a semana? Na verdade, de nada adianta fazer isso sem definir o dia e o horário de realização de cada tarefa. De acordo com Newport, é isso que vai fazer com que você veja seus compromissos de forma realista, com poucas chances de desistência.

“Marcar horários força você a confrontar a realidade sobre quanto tempo você realmente tem e quanto tempo as coisas vão demorar. Agora que você enxerga o compromisso como um todo, você será capaz de extrair alguma coisa produtiva de qualquer hora livre que você tenha em seu dia de trabalho”, explica Newport.

Outros estudos também já comprovaram que o fato de agendar horários para as tarefas diminui consideravelmente a possibilidade de fracasso. Em casos de compromissos que surgem de última hora, a dica continua sendo a mesma: encaixá-los na agenda sem reclamar – todo mundo sempre tem alguns minutos de folga.

A explicação para isso está no fato de que agendar compromissos já faz com que você não precise decidir se vai ou não cumpri-los: nessa altura, ao se programar você assume que vai, sim, fazer o que programou. Além do mais, há estudos que nos mostram que agendar tarefas aumenta nossa qualidade de vida.

2 – Planeje seu dia de trás para frente

Eis outra forma de evitar crises de preguiça e procrastinação: imaginar tudo o que você precisa fazer e organizar as tarefas de trás para frente, de modo que todas elas caibam nas horas úteis do seu dia e que você tenha todo o controle de que precisa.

Na verdade, essa tática é mais eficaz do que você imagina, afinal já é cientificamente comprovado que a sensação de ter uma situação sob controle – ainda que isso seja apenas uma sensação – é capaz de diminuir nossos níveis de stress.

Digamos que você sai do trabalho às 17h. É esperado, então, que até às 16h30 você esteja com todas as tarefas cumpridas. Se você se planejar de trás para frente, definir horários e tempo de duração de cada atividade, vai ter menos pressão, vai se estressar menos e vai sentir que está sob controle de tudo.

É fácil entender por que isso acontece se pensarmos no sentido oposto: é ou não é estressante ter mil coisas para fazer e não ter ideia do que vem pela frente? Às vezes a expectativa a respeito do que vem na sequência é pior do que a tarefa em si.

3 – Faça um planejamento semanal

Se pudéssemos resumir esses conselhos todos em uma só palavra, talvez ela fosse “organização”. Pode parecer coisa de gente paranoica, mas colocar sua vida na ponta do lápis pode ajudar mais do que você imagina. E já que estamos falando sobre organizar tarefas, que tal já preparar sua semana inteira?

“Eu sei a cada dia o que estou fazendo com cada hora dele. Toda semana eu sei o que estou fazendo com cada dia dela e eu sei todo mês o que estou fazendo com cada semana dele”, resumiu Newport, que nunca fica sem planejar seus compromissos.

Ainda que a ideia de planejar uma semana inteira pareça ambiciosa e difícil demais, o segredo talvez esteja em planejar esse planejamento. Ficou confuso? Calma que a gente explica: uma dica dada por Newport é a de separar uma hora de toda segunda-feira para planejar a semana inteira. Esse é o tempo ideal para você pensar em todos os seus compromissos de maneira eficiente.

Newport explica que escreve seu planejamento semanal em um e-mail que manda para si mesmo, por saber que vê sua caixa de entrada todos os dias, várias vezes – assim fica fácil se lembrar de tudo. O fato é que tendemos a usar nosso tempo de maneira mais inteligente quando temos tudo planejado – taí outra coisa já comprovada cientificamente. E antes que você diga que tem uma memória excelente, já adiantamos: não adianta fazer essa lista mentalmente. Ela precisa ser escrita e visível de alguma maneira.

4 – Aprenda a dizer “não”

Sua lista de tarefas pode até ser grande e intimidadora, e é absolutamente normal que de vez em quando você surte um pouquinho por isso, com aquela sensação absurda de não ter tempo suficiente para fazer tudo. Quem nunca?

A má notícia é que possivelmente você está certo e tenha que protocolar um pedido de um dia com seis horas extras ou uma semana com pelo menos um dia a mais. A boa notícia é que, como seu pedido não será atendido, pelo menos você deve saber que é possível resolver essa crise entre tarefas e tempo disponível.

Nada de trabalhar como se não houvesse amanhã e perder sua saúde por isso! O jeito é aprender, de uma vez por todas, a aceitar menos coisas do que você dá conta e diminuir essa lista de afazeres. Não adianta negar: a gente sabe que você se compromete com mais coisas do que daria conta. Você e o resto das pessoas do mundo, possivelmente.

Para resolver o problema, faça algumas perguntas para você mesmo: “qual dessas atividades são realmente necessárias?” “qual delas está contribuindo para que a minha vida melhore?”. Depois disso, elimine o que sobrar. Com a lista reduzida, tenha em mente que você vai precisar dar o seu melhor na hora de colocar cada tarefa em prática. Pessoas de sucesso fazem isso.

Na verdade, a sensação de que não temos tempo o suficiente é provocada justamente pelo excesso de pequenas tarefas. Aceitar fazer tudo acaba fragmentando nosso tempo de modo que nos sentimos encurralados. O jeito é fazer menos coisas, mas fazê-las da melhor forma possível. Qualidade é sempre um bom diferencial.

5 – Menos superficialidade, por favor

Newport explica que nossas tarefas são divididas em superficiais e profundas. No primeiro caso estão e-mails que precisamos checar, reuniões rápidas e afazeres que não exploram seus talentos. No segundo, está tudo aquilo que faz com que você se supere, que use suas habilidades e que faça você sentir que fez algo importante, de valor.

Até aí, nada difícil de entender. O problema mesmo é que a maioria das pessoas costuma se focar justamente nas tarefas superficiais. Newport explica que esse é o caso de quem acaba levando trabalho para casa. São pessoas que perdem tempo respondendo mensagens, se atualizando sobre informações irrelevantes e conversando. “Essas coisas consomem muito tempo e têm um valor muito baixo”, explica.

Baker resume essa questão em uma sentença interessante: “Trabalho superficial impede você de ser demitido, mas um trabalho profundo é o que faz com que você seja promovido”. E aí, deu para entender a diferença?

***

Agora conte para a gente: você é um preguiçoso de carteirinha? O que faz para driblar a falta de vontade?

Você sabia que o Megacurioso está no Instagram, Facebook e no Twitter? Siga-nos por lá.