226
Compartilhamentos

Síndrome de burnout: aprenda a reconhecer se você tem ou pode ter

A modernidade tem lá as suas desvantagens, e uma delas é a síndrome de burnout, sobre a qual falaremos agora. Conhecida também como síndrome do esgotamento emocional, esse distúrbio é quase sempre provocado por questões de stress no ambiente de trabalho, quando a sobrecarga de tarefas e cobranças provoca uma pane em nosso cérebro.

Segundo o Dr. Drauzio Varella, os profissionais mais afetados são os de educação, saúde, assistência social, recursos humanos, agentes penitenciários, bombeiros, policiais e mulheres que fazem dupla jornada de trabalho. Quando a pessoa tem a sensação de que vai explodir de tanto stress, quando perde o interesse em outras áreas e quando seu desempenho profissional diminui, pode ser culpa da burnout.

A Forbes publicou uma relação de sintomas que são característicos da síndrome. Confira a seguir:

1 – Exaustão

A sensação de estar cansado a todo o momento é típica dessa síndrome. E é importante saber que existe a exaustão física e a mental, também. Sentir que não tem energia para nada é sempre um sinal de alerta.

2 – Falta de motivação

Se nada da sua vida deixa você feliz, motivado, com vontade de praticar alguma atividade ou algum tipo de interação social, é bom ficar em alerta, principalmente se esse sentimento for constante. Outro sinal de falta de motivação é uma grande dificuldade para sair da cama ou para começar a trabalhar.

3 – Emoções negativas

Quando pensamentos negativos prevalecem em sua cabeça, e você sente que o que faz não tem importância, é preciso ficar atento. Caso essa maré de pessimismo não passe, procurar ajuda médica e psicológica é fundamental.

4 – Dificuldades cognitivas

A síndrome de burnout afeta as sinapses cerebrais, que são as conexões entre neurônios e que nos permitem realizar atividades diversas. Quando a formação dessas ligações não é feita da maneira ideal, nossas habilidades cognitivas são prejudicadas. Então, se está difícil prestar atenção, ter concentração ou manter o foco, fique atento. Essas dificuldades cognitivas atrapalham também nossa capacidade de tomar decisões, resolver problemas e se lembrar de coisas importantes.

5 – Pior desempenho profissional

Se há um ano você achava que estava muito melhor no trabalho, que conseguia realizar suas tarefas de um modo mais eficiente e que agora mal dá conta de fazer o mínimo, a explicação para essa queda de qualidade e produtividade pode estar na burnout. Se a sensação de descontentamento com seu próprio desempenho prevalece há muito tempo, mais preocupante ainda.

6 – Problemas interpessoais

Pode acontecer de duas maneiras: ou você percebe que está brigando e discutindo de forma negativa cada vez mais com as pessoas da sua família, seus amigos e colegas de trabalho ou percebe que simplesmente está se isolando deles.

7 – Não cuidar de si mesmo

Em pessoas cuja síndrome se manifesta, é comum a falta de cuidado com o próprio corpo e com a própria saúde: beber demais, fumar, ser sedentário, comer mal e dormir pouco. São pessoas que geralmente abusam daquilo que as acalma, como o álcool, e do que acreditam que as deixa com energia, como café.

8 – Estar em casa pensando no trabalho

Se os seus problemas de trabalho são a sua companhia quando você chega em casa, cuidado. Gastar energia demais pensando em assuntos do trabalho é um péssimo negócio, até porque isso faz com que sua mente não se recupere do stress que você enfrentou durante o dia. Assim que sair do escritório, pare de pensar sobre ele.

9 – Insatisfação

A síndrome faz com que as pessoas se sintam cada vez menos satisfeitas com questões pessoais e profissionais. É comum também a sensação de que se está “preso” em determinada situação, sem forças para seguir em frente ou dar início a novas atividades.

10 – Problemas de saúde

É comum que a síndrome provoque danos físicos, principalmente quando falamos de longos períodos de stress. Nesse sentido, a pessoa acaba desenvolvendo problemas digestivos, cardíacos, depressão e ganho de peso.

Me identifiquei com isso tudo, e agora?

Se os sintomas acima parecem uma descrição fiel da sua vida, a primeira coisa que você precisa fazer é não entrar em pânico. Da mesma forma que uma pessoa com pedra nos rins procura ajuda médica, um profissional estressado pode precisar da ajuda de um especialista.

Nesse caso, o ideal é marcar uma consulta com um psiquiatra, pois o tratamento para a burnout inclui o uso de antidepressivos e a realização de terapia.

De qualquer forma, para evitar que o problema surja, você pode tomar algumas medidas práticas que melhoram a vida de qualquer pessoa. Relaxar, por exemplo, é essencial – você pode fazer isso escutando música, meditando, lendo um livro, passeando com os amigos e fazendo coisas prazerosas.

Além do mais, é fundamental que você tenha uma vida interessante além do ambiente de trabalho. Praticar esportes, realizar trabalhos voluntários ou fazer a inscrição de uma vez por todas naquela aula de zumba que você tanto quer fazer são atividades que só fazem bem.

Ainda que estejamos cada vez mais conectados com tudo e com todo mundo, o ideal é que sua vida não gire em torno de redes sociais e que, de vez em quando, seu celular fique quietinho, de folga. Estabeleça horários para checar emails, desligue o celular quando estiver jantando, não leve tablets, computadores e afins para a sua cama.

É fundamental também que você durma tempo o suficiente para que seu cérebro tenha tempo de recuperar as energias. Já existem pesquisas que comprovam que dormir menos de seis horas por dia é um ótimo jeito de desenvolver burnout. Dormir mal deixa você cansado, diminui sua motivação e faz de você uma pessoa mais estressada – para saber quantas horas uma pessoa deve dormir por dia, com base na sua idade, clique aqui.

Pessoas em crise de burnout tendem a achar também que não terão tempo para nada e que não conseguirão realizar as tarefas que precisam. Nesse sentido, vale sempre manter um esquema de organização. Você pode fazer uma lista de tarefas, dando destaque para as suas prioridades – assim você não precisa ficar pensando em tudo o que deve fazer.

O caso de Andrea Mota

Foto: Glamour/Daniel Katz

Talvez você não tenha ouvido falar ainda sobre a história de Andrea Mota. Por muito tempo ela trabalhou como diretora-executiva d'O Boticário. À época, gerenciava uma equipe de quatro diretores, 700 funcionários e mil franqueados – fora a equipe de 25 mil trabalhadores que controlava indiretamente também.

Conforme os depoimentos dela, publicados na Revista Glamour, sua jornada chegava a 14 horas de trabalho por dia. É aquela coisa: quanto maior a responsabilidade, maior precisa ser a dedicação.

Em uma ocasião, durante as férias com a família na Bahia, Andrea achou que estava tendo um acidente vascular cerebral (AVC): tudo começou com muita dor de cabeça, confusão mental e uma indisposição que não a deixava sair da cama; depois, seus braços paralisaram. No hospital, o diagnóstico foi diferente do “derrame” que ela acreditava ser a causa de seu mal-estar. Andrea estava com a síndrome de burnout.

Alguns meses depois, ela radicalizou e decidiu pedir demissão. Hoje, a ex-executiva dedica seu tempo a procurar uma nova profissão: faz cursos de culinária, fotografia e ioga, além, é claro, de continuar o tratamento psicológico. Mulher de coragem, hein!

Você sabia que o Megacurioso está no Instagram, Facebook e no Twitter? Siga-nos por lá.

Comentários

Você já percebeu que passamos por algumas mudanças por aqui, né? Uma delas é melhorar também o nosso campo de comentários - e nada melhor do que você, nosso leitor, para nos ajudar e garantir que a gente esteja no caminho certo. Substituímos temporariamente nossos comentários por uma pesquisa rápida para implementarmos mais uma melhoria. Como você acredita que nossa interação pode ser mais próxima aqui?

CLIQUE AQUI PARA RESPONDER