(Fonte da imagem: ScienceNordic)

Você conhece alguma pessoa ruiva que é extremamente friorenta? Um estudo indica que isso não é apenas um caso de “frescura”, e sim culpa dos próprios genes dela. A pesquisa, divulgada no site ScienceNordic, revelou, até o momento, que elas têm as seguintes diferenças, em comparação a uma pessoa “normal”:

  • Maior sensitividade ao frio;
  • Menor resposta a anestésicos subcutâneos;
  • Sofrem mais com dores de dente e, logo, tem mais medo de dentistas;
  • Têm maior risco de desenvolver esclerose e endometriose.

Mas talvez a característica que mais se destaca está na hora de resistir à sensação de dor. Neste ponto, ruivos aguentam níveis muito acima das outras pessoas, segundo Lars Arendt-Nielsen, professor do Centro de Interação Senso-Motor da Universidade de Aalborg.

Para testar isso, os pesquisadores injetaram uma quantidade de capsaicina, substância causadora de dor encontrada nas pimentas, na pele de candidatos. Os resultados mostraram que os ruivos reagiram menos a pressões ou picadas na área, indicando que eles têm uma proteção natural um pouco melhor que o normal.

De acordo com Arendt-Nielsen, a resposta está no gene receptor MC1R, além dos subgrupos MC2R, MC3R e MC4R, que estão diretamente ligados às funções centrais do cérebro e têm ligação com os ruivos. “Essa pode ser a chave para explicar porque os ruivos são um pouco diferentes das outras pessoas”, disse ele.