Seja o primeiro a compartilhar

6 alimentos mortais se não forem preparados corretamente

Uma dieta equilibrada e feita com bons alimentos é importante, mas também é preciso estarmos atentos à forma como preparamos e manipulamos estes itens. Existem produtos que se forem mal preparados podem se tornar mortais para o ser humano.

Há diferentes razões para esse risco, como falta de limpeza dos itens com origem do campo, que podem vir com agrotóxicos em suas camadas superficiais. Contudo, há também alguns tipos de comidas, como peixes, que contêm substâncias que são naturalmente tóxicas ao nosso organismo.

É importante não criar pânico, mas estar atento às melhores práticas de manipulação dos alimentos, evitando qualquer acidente fatal. Conheça seis alimentos que se não forem bem preparados podem ser mortais.

1. Sabugueiro

(Fonte: Wikimedia Commons)(Fonte: Wikimedia Commons)

Um das plantas medicinais mais utilizadas no mundo, o sabugueiro é muito comum em regiões da Europa e do norte da África. Contudo, apesar de seu potencial curativo, é muito importante estar atento aos riscos que a planta também pode trazer à saúde.

Sem o devido cuidado, a casca, o fruto e as sementes do sabugueiro contêm lectina em pequenas quantidades, substância que pode causar sérios problemas estomacais.

Outro risco são os glicosídeos cianogênicos contidos no sabugueiro, que podem liberar cianeto no corpo, um poderoso veneno, cujas doses, apesar de não serem superiores a 3% da quantidade fatal, pode trazer problemas como náuseas e diarreia.

2. Batata

(Fonte: Wikimedia Commons)(Fonte: Wikimedia Commons)

Quem não é fã de batata frita? Ou purê de batata? Ou sopa de batata? Pratos com este ingrediente são abundantes e nosso continente é rei neste assunto. Porém, o cuidado com sua manipulação é fundamental, como não consumi-la antes que esteja madura.

Sua folha, caule e broto contém glicoalcalóides, que podem causar diarreia, cãibras e, em grandes quantidades, levar à morte. Outro ponto a ficar atento no caso das batatas é se elas estão brilhando excessivamente, ou borbulhando como se estivessem fermentando. Batatas nestes casos devem ser jogadas fora.

3. Mandioca

(Fonte: Pixabay)(Fonte: Pixabay)

Uma boa porção de mandioca, frita ou cozida, é um prato que poucas pessoas em sã consciência recusariam. E estão certas, já que é um alimento rico em carboidratos. No entanto, quem deseja prepará-la deve ficar atento, já que sua forma crua contém uma toxina que, se metabolizada no corpo, pode produzir cianeto – veneno poderoso capaz de matar uma vaca adulta na hora.

Por este motivo, é um alimento que não deve ser consumido cru em hipótese alguma. O ideal é descascá-la e deixá-la de molho por 24h antes de cozinhá-la. Conduzida de maneira adequada, é só alegria.

4. Rã-touro-africana

(Fonte: Wikimedia Commons)(Fonte: Wikimedia Commons)

A rã-touro-africana é mais conhecida por seu apetite voraz do que como uma iguaria, mas na África, especialmente na Namíbia, é um prato muito típico. Contudo, se encaixa na safra dos produtos que não podem ser preparados de qualquer forma.

Um chef que decida servi-la como prato principal precisa estar atento para não usar uma espécie muito jovem. A razão é que as rãs-touro-africanas que ainda não acasalaram secretam um veneno capaz de causar insuficiência renal, que se agravada leva quem a consumiu à morte.

5. Feijão-vermelho

(Fonte: Wikimedia Commons)(Fonte: Wikimedia Commons)

Assim como ocorre com grãos de soja, o feijão-vermelho é daqueles alimentos que podem ser perigosos. Como outros grãos da família, ele é uma excelente fonte de proteínas, fibras, vitaminas e minerais, porém, quando cru, contém um tipo de lectina capaz de causar graves dores estomacais.

A lectina de difícil nome (é sério: fitohemaglutinina) pode fazer com que você tenha diarreia, vômito e náuseas, fruto da intoxicação. Vale a dica de deixar de molho por longo período antes de cozinhá-lo.

6. Castanha de caju

(Fonte: Pixabay)(Fonte: Pixabay)

Desconfie se chegar em um mercado público e encontrar uma placa sobre castanhas com uma mensagem dizendo que comercializam castanha de caju crua. A razão é uma só: nesta forma, a castanha contém uma substância química chamada urushiol, muito semelhante ao veneno contido na planta conhecida como hera venenosa.

Toda castanha de caju, antes de ser levada à venda, é cozida no vapor antes de ser tostada, de modo a retirar o usuhiol. Logo, só faça o consumo dela desta maneira e nunca saia comendo a parte superior de um caju.

Você sabia que o Mega Curioso está no Instagram, Facebook e no Twitter? Siga-nos por lá.