10 territórios disputados sobre os quais você talvez não conheça nada

Os mais velhos podem recorrer a um empoeirado livro de Geografia da época de escola, mas, para facilitar, basta uma busca simples no Google por um Atlas dos anos 80: claramente dá para perceber que fronteiras e países são tão dinâmicos como o jogo de dança das cadeiras. 

A disputa por espaço e território terrestre é tão antiga quanto a própria existência humana na Terra, e infelizmente, para alguns casos, não há argumentos, determinações de organismos internacionais ou moeda de troca válida para apaziguar os conflitos. Poder, ganância, crenças religiosas ou simplesmente uma disputa de força e egos feridos? 

Conheça 10 exemplos de imbróglios territoriais.

1 – Belize 

Belize conquistou sua independência em 1981, mas até hoje a Guatemala reivindica a posse dessa região litorânea no mar do Caribe. Em 1991, a Guatemala chegou a reconhecer a independência do país, mas em 1993 voltou a requerer o território para si. Em alguns mapas guatemaltecos, inclusive, a área de Belize aparece como sendo o 23° território da Guatemala. 

2 – Ilhas Malvinas ou Falkland Islands? 

Até o nome do arquipélago é motivo de disputa. O conjunto de ilhas ao sul do oceano Atlântico é reivindicado tanto pela Argentina quanto pelo Reino Unido, tendo a tensão entre as duas nações culminado na guerra das Malvinas, em 1982. Os britânicos saíram vitoriosos e permanecem com o domínio do território, mesmo até hoje sem o reconhecimento argentino.

A ONU determinou que em todas as línguas, exceto espanhol, a documentação referente às ilhas seria denominada Falkland Islands (Malvinas). Em 2009, o então primeiro-ministro britânico Gordon Brown deu por encerrada qualquer negociação envolvendo o futuro da soberania do território. Em 2013, um referendo popular mostrou que mais de 99,8% da população aprovam e reconhecem o domínio britânico. 

3 – Ilhas Geórgias do Sul e Sandwich do Sul 

Essas ilhas inabitadas ao sul do oceano Atlântico são territórios ultramarinos de domínio britânico onde a Argentina outrora manteve uma estação naval e uma companhia baleeira. Com a derrota para os britânicos na guerra das Malvinas, essas operações foram encerradas e a soberania britânica, instalada. 

4 – Gibraltar 

É oficialmente um território ultramarino britânico desde a cessão pela Espanha como parte do acordo de Ultrecht, em 1713. Esse estreito filete de terra localizado no extremo sul da península Ibérica é menor do que o bairro de Copacabana, mas possui enorme importância estratégica no comércio mundial e é, apesar do tratado, reclamado pela Espanha ainda que sem conflitos significativos. O Brexit colocou a disputa novamente em foco. 

5 – Bir Tawil 

Com tanta disputa de poder, eis que surge um pedaço de terra rejeitado por ambos os países fronteiriços. Egito e Sudão tentam empurrar um para o outro a responsabilidade sobre essa porção entre os dois países. No século XIX, ficou estabelecido que essa área seria pertencente ao Sudão, mas em 1902 foram definidas novas delimitações de fronteira, ficando a área sob administração do Egito, que refutou a responsabilidade. Devido à falta de recursos naturais, nenhum país reclama soberania da região. 

6 – Ceuta e Melilla 

São duas cidades na costa norte do Marrocos, mas que pertencem à Espanha. Uma está localizada bem ao norte na porção africana do estreito de Gibraltar e a outra também na costa, um pouco mais a leste. Marrocos já solicitou a soberania repetidas vezes, mas aparentemente a população local rejeita as investidas marroquinas, e a Espanha não demonstra qualquer interesse em tirar seu pé de terras africanas. Desde a entrada da Espanha na União Europeia (UE), as fronteiras de ambas as cidades foram reforçadas com muros para impedir a passagem de imigrantes. Os territórios permanecem sob domínio espanhol e, portanto, fazem parte da UE. 

7 – Lasca do Ponto 20 

Aqui a disputa é entre Malásia e Singapura, nações que se enfrentam acerca de territórios há bastante tempo. Nesse caso específico, existe uma questão geográfica de demarcação de fronteiras marítimas na região de Tuas. O governo da Malásia afirma que, devido a obras de recuperação de terras realizadas por Singapura, está em curso uma invasão de suas águas territoriais no local chamado de Lasca do Ponto 20. O governo de Singapura alega que a lasca é uma anomalia e não reconhece o ponto 20 como sendo de soberania da Malásia. 

8 – Ilha Talpatti do Sul ou Ilha New Moore 

Um banco de areia que existiu por poucos anos foi motivo de disputa entre os governos da Índia e de Bangladesh. A formação arenosa se deu em decorrência de um ciclone nos anos 70 e virou motivo de argumentações por domínio de ambas as partes por mais de 40 anos, devido a especulações em torno de óleo e gás natural que poderiam ser encontrados na região. Em 2010, devido ao aumento do volume das marés, o banco de areia desapareceu completamente. Ainda assim, em 2014 o veredito da corte de Haia foi de que o território pertence a Bangladesh. 

9 – Ilhas Curilas 

A disputa pelo domínio das ilhas Curilas, um arquipélago vulcânico de 56 ilhas, envolve o Japão e a Rússia, que detém o comando de toda região desde os acordos firmados ao final da Segunda Guerra Mundial. Embora pertençam à Russia, o Japão reclama posse de 4 dessas ilhas, conhecidas pelos japoneses como Territórios do Norte. 

10 – Antártica 

Esse último não é exatamente uma disputa, mas justamente o contrário disso. Já ouviu falar em terra nullis? É uma expressão latina que designa "terra de ninguém". A Antártica é um dos poucos territórios que não pertencem a nenhum estado específico, ou seja, terra nullis, muito embora diversos tratados internacionais concedam permissões para instalação de bases de pesquisa na região. Há sempre rumores de uma requisição por parte de algum dos países.

***

Você conhece a newsletter do Mega Curioso? Semanalmente, produzimos um conteúdo exclusivo para os amantes das maiores curiosidades e bizarrices deste mundão afora! Cadastre seu email e não perca mais essa forma de mantermos contato!

Você sabia que o Mega Curioso está no Instagram, Facebook e no Twitter? Siga-nos por lá.