Seja o primeiro a compartilhar

5 fatos intrigantes sobre o jogo 'Pedra, Papel e Tesoura'

Quem nunca disputou com um amigo uma melhor de três em uma partida de Pedra, Papel e Tesoura para decidir quem precisaria fazer determinada coisa? Jogado desde muito tempo atrás, esse é um jogo conhecido por milhões de pessoas em diversas culturas ao redor do planeta.

O que muitos não pensam, entretanto, é que existem poucas brincadeiras tão populares e com uma história tão única por aí. Pensando nisso, nós separamos uma lista com cinco fatos intrigantes sobre Pedra, Papel e Tesoura para você aprender mais. Fica ligado!

1. Jan-Ken-Pon

(Fonte: Unsplash)(Fonte: Unsplash)

Em algumas partes do Brasil, muitas pessoas possuem o hábito de chamar esse jogo com as mãos de "Joquêmpo". Porém, a escrita correta da palavra é "Jan-Ken-Pon", que teria nascido na China e se espalhado por toda a Ásia — principalmente no Japão. Na Terra do Sol Nascente, o jogo teria chegado à Ilha de Kyuushuu no ano de 1642 e logo tornou-se popular na região de Osaka.

Inicialmente, era um jogo entre duas pessoas que simultaneamente estendiam os dedos de uma mão e precisavam tentar adivinhar o total de dedos esticados na partida. Como era uma brincadeira de bar, o perdedor precisaria beber um shot de alguma bebida. Com o passar do tempo, as regras foram mudando.

2. Disputa de tribunal

(Fonte: Unsplash)(Fonte: Unsplash)

Nos Estados Unidos, o juiz Gregory Presnell pediu para que dois advogados entrassem em uma partida de Pedra, Papel e Tesoura para definir onde deveria ocorrer o depoimento de uma testemunha. Foi definido que o jogo deveria acontecer nas escadarias do tribunal de Tampa, para evitar mais desentendimentos.

Se não bastasse, a disputa seria supervisionada por Matti Leshem, co-comissário da liga norte-americana de Pedra, Papel e Tesoura. Entretanto, os advogados acabaram discordando da metodologia e optaram por se resolver por outros meios.

3. Aleatoriedade

(Fonte: Pixabay)(Fonte: Pixabay)

Com três opções a serem escolhidas, você provavelmente sempre pensou que Pedra, Papel e Tesoura foi uma brincadeira imprevisível e sobre sorte, certo? No entanto, um extensivo estudo feito por pesquisadores chineses concluiu que o jogo não é tão aleatório assim.

Segundo os cientistas, a melhor estratégia é jogar com base na última jogada do outro jogador. Se seu adversário acabou de ganhar, o mais recomendado é mudar sua escolha para aquela que venceria na rodada anterior. Se eles tiverem perdido, eles estarão mais propensos a mudar de resposta e você terá menos opções para escolher — sendo pedra a escolha mais comum entre os jogadores.

4. Criação do jogo

(Fonte: Freepik)(Fonte: Freepik)

Segundo historiadores, a primeira menção a esse tipo de jogo aconteceu na dinastia Han (206 a.C.-220 d.C.) na China, substituindo os elementos por "Sapo, Cobra ou Lagarto". Na versão japonesa, um erro de tradução colocou o jogo como "Sapo, Lesma e Cobra".

Não há exatamente arquivos históricos que mostrem quando a brincadeira chegou nas Américas, mas parece ter começado nos Estados Unidos por volta do século XX. Inclusive, as regras da brincadeira chegaram a aparecer em uma edição do The New York Times em 1932. 

5. Treinamento de Chimpanzés

(Fonte: Pixabay)(Fonte: Pixabay)

Se você estiver com dificuldades de encontrar um parceiro para brincar de Pedra, Papel e Tesoura, saiba que os chimpanzés podem ser treinados para participar da brincadeira. Segundo pesquisadores, esses primatas possuem a capacidade de jogar no mesmo nível de uma criança de 4 anos.

Estudos feitos no Japão e na China demonstram que eles possuem certa dificuldade em entender a natureza circular do jogo, mas possuem a habilidade de uma hora compreender como funcionam as regras de uma partida. Dessa forma, podemos notar que são criaturas bem inteligentes.

Você sabia que o Mega Curioso está no Instagram, Facebook e no Twitter? Siga-nos por lá.