Cientistas estabelecem conexão telepática com ratinhos de laboratório
35
Compartilhamentos

Cientistas estabelecem conexão telepática com ratinhos de laboratório

Último Vídeo

Se você alguma vez já se perguntou se um dia seria possível utilizar a telepatia para enviar mensagens e até controlar a mente de outra pessoa, saiba que um grupo de pesquisadores da Universidade de Harvard, nos EUA, vem fazendo progressos nessa área. Segundo o site NewScientist, os cientistas estão trabalhando em um sistema que permite que a mente humana desencadeie movimentos em ratinhos de laboratório.

O sistema conecta um controlador humano a um rato através de um computador, dispensando a necessidade de qualquer tipo de implante cerebral. Para isso, um voluntário humano utilizou um equipamento sobre a cabeça composto por eletrodos capazes de monitorar a atividade cerebral através da eletroencefalografia. Já o ratinho ficou conectado a um aparelho capaz de despertar a atividade cerebral através de pulsos ultrassônicos.

Sistema telepático

Enquanto o equipamento registrava a atividade cerebral do controlador, os pesquisadores determinaram qual dos padrões correspondia ao dos estímulos visuais. O voluntário ficou diante de uma tela que mostrava uma luz pulsante, e o padrão registrado pela eletroencefalografia apresentava uma sincronização entre atividade mental e a frequência dos pulsos de luz.

No entanto, quando o controlador passava a se concentrar em mover a cauda do ratinho, essa mudança de foco alterava o padrão da atividade mental, desencadeando um sinal que era enviado ao computador. O sinal foi então traduzido em um pulso ultrassônico capaz de estimular o córtex motor do rato, provocando um movimento em sua cauda. O mesmo sistema foi testado por seis voluntários diferentes, todos com o mesmo resultado. Confira o vídeo:

Só isso?

Existem alguns problemas com a implementação do “sistema telepático”, já que o fato de que o ratinho se encontre anestesiado implica na total falta de autonomia por parte do animal. Esse mesmo aspecto — de o bichinho se encontrar em um estado inerte e incapaz de questionar o comando recebido — também pode ter afetado os resultados do experimento.

Além disso, o sistema ainda não é sofisticado o suficiente para que os pesquisadores possam mapear mais padrões de atividade mental e sincronizá-los às respostas motoras correspondentes. Entretanto, os cientistas já avisaram que pretendem refinar a tecnologia, para que ela seja utilizada, por exemplo, para que fisioterapeutas consigam enviar comandos mentais a pacientes paralisados que precisem reaprender a utilizar seus membros.

Você sabia que o Megacurioso está no Instagram, Facebook e no Twitter? Siga-nos por lá.