(Fonte da imagem: Shutterstock)

A quimioterapia é um tratamento muito agressivo, pois ela mata tanto as células saudáveis quanto as cancerígenas. Apesar disso, o tratamento vem salvando vidas há anos, o que impediu — ou atenuou — a desconfiança de médicos e especialistas.

Contudo, um estudo vem tirando a paz de todas as pessoas que trabalham contra o câncer. Segundo alguns estudiosos, quando o tratamento mata as células saudáveis que estão “ao redor” da doença, uma secreção chamada WNT16B é liberada — uma proteína que pode alimentar o tumor do doente.

Isso explicaria os casos em que a pessoa responde bem ao tratamento, mas depois de um tempo começa a piorar e acaba falecendo ou tendo o quadro agravado. Para chegar a essa conclusão, o time de pesquisadores estudou tumores de próstata e já está com análises encaminhadas com o câncer de mama e ovário — obtendo resultados bem semelhantes ao anterior.

Um fato é certo: a quimioterapia já salvou um número enorme de vidas e não vai deixar de ser usada. O que pode ser feito agora é a melhoria do tratamento, que pode vir a ser muito mais seguro e eficiente.

Fonte: NatureMedicine