(Fonte da imagem: Reprodução/shutterstock)

Um grupo de pesquisadores do MIT conseguiu manipular o conteúdo do sonho de ratinhos de laboratório — bem ao estilo do filme “A Origem” — através da reprodução de um sinal sonoro que ativava memórias associadas às experiências vividas pelos animais no dia anterior.

Os pesquisadores treinaram um grupo de ratinhos para percorrer um labirinto em busca de comida, ensinando-os a seguir alguns sinais sonoros específicos que indicavam a localização dos alimentos. Enquanto os ratinhos faziam isso, os cientistas monitoraram suas atividades cerebrais, voltando a monitorá-las durante o sono dos animais.

Os animais também sonham

Depois de comparar as duas informações — a atividade cerebral durante a busca de comida e durante o sono —, os pesquisadores observaram que os animais, de fato, sonhavam sobre as experiências vividas no dia anterior.

Além disso, quando os cientistas reproduziam os sinais sonoros que indicavam aos animais onde encontrar a comida, os ratinhos passavam a sonhar com os caminhos associados a esses sons específicos, demonstrando que o conteúdo dos sonhos dos bichinhos pode ser manipulado através da reativação de determinadas memórias enquanto eles dormem.

Manipulação de memórias

Durante os experimentos, os pesquisadores monitoraram o funcionamento do hipocampo dos ratos — região do cérebro responsável por transformar as experiências cotidianas em memórias —, descobrindo que o ambiente também pode influenciar a forma como o cérebro processa as experiências para consolidá-las na forma de memórias.

O experimento pode ajudar os cientistas a entender melhor como a memória é consolidada durante o sono, além de potencialmente poder ser utilizado em técnicas de manipulação de sonhos para melhorar, bloquear e, inclusive, modificar algumas memórias. Além disso, os pesquisadores esperam poder desenvolver novas terapias relacionadas ao aprendizado e ao comportamento.

Fontes: MIT, Nature e io9