Pratos autolimpantes podem ser a solução para acabar com o acúmulo de louça
195
Compartilhamentos

Pratos autolimpantes podem ser a solução para acabar com o acúmulo de louça

Quem nunca passou por essa situação: aquele dia em que parece que toda a louça da casa foi parar na pia e o tamanho da pilha não anima ninguém a encará-la? E nessa hora que muitos de nós desejamos que a louça – assim como as roupas – fosse descartável.

Bem, ainda não conseguimos arrumar uma solução que revolucione a lavanderia, mas tudo indica que estamos perto de acabar com o problema da cozinha com uma ajudinha da ciência. A grande novidade consiste em pratos e tigelas com um acabamento especial autolimpante que repele resíduos e líquidos.

As responsáveis pelo conceito inovador são as designers suecas Hanna Billqvist e Anna Glansén, que desenvolveram os protótipos em parceria com a Innventia, uma empresa especializada na pesquisa de materiais naturais.

Interessada na proposta, a Federação das Indústrias Florestais da Suécia financiou o projeto como uma maneira de explorar novas alternativas para a celulose – o extrato que forma as fibras das plantas e já é utilizado na fabricação do papel.

Protótipos criados por Hanna Billqvist e Anna Glansén. Fonte da imagem: Reprodução/Smithsonian

Utensílios com tecnologia

A tecnologia utilizada nas peças criadas por Billqvist e Glansén consiste em uma pequena variação do material – a nanocelulose – que não é apenas leve e maleável, como também suficientemente durável para resistir a quedas acidentais. Alguns chegam a comparar a durabilidade do material com o Kevlar – a fibra sintética que é usada em roupas a prova de balas e outros produtos resistentes a impactos.

Para criar os utensílios de cozinha, é preciso modelar o material em folhas flexíveis e utilizar o calor e a pressão para criar o formato desejado. A decoração fica por conta de uma técnica de marmorização que cria um aspecto elegante.

As propriedades autolimpantes vêm da aplicação de um acabamento com ação super-hidrofóbica que, segundo Glansén, é um composto totalmente natural criado para reproduzir o efeito de lótus. Um material é considerado super-hidrofóbico quando ele é capaz de repelir líquidos em um ângulo acentuado, sendo que esse ângulo é calculado conforme as gotas de água entram em contato com a superfície. Quanto maior o ângulo, maior é a capacidade do material de repelir líquidos.

Protótipos criados por Hanna Billqvist e Anna Glansén. Fonte da imagem: Reprodução/Smithsonian

Será que é seguro?

Quando falamos em substâncias de propriedades especiais que entram em contato com os alimentos e, consequentemente, podem ser ingeridas, é preciso pensar na segurança que elas oferecem. Um dos casos mais conhecidos é o Teflon, material antiaderente que ainda divide opiniões sobre os riscos que pode causar ao organismo.

Sobre o material em desenvolvimento, Glansén afirma que as peças autolimpantes – que são eficazes com alimentos que contenham tanto água quanto óleo – são seguras: “Existem produtos no mercado que têm acabamentos super-hidrofóbicos, mas eles não podem ser utilizados com alimentos e são feitos a partir de outros químicos. Essa nova tecnologia se baseia em substâncias naturais”, revela ela.

Embora seja apenas um conceito, as designers acreditam que a tecnologia pode ser uma solução a longo prazo, já que a pesquisa que está sendo realizada aponta para a produção de peças bastante duráveis. Por enquanto, a Innventia, parceira do projeto, estuda meios de produzir os utensílios e colocá-los a disposição dos consumidores.

Você sabia que o Megacurioso está no Instagram, Facebook e no Twitter? Siga-nos por lá.

Comentários

Você já percebeu que passamos por algumas mudanças por aqui, né? Uma delas é melhorar também o nosso campo de comentários - e nada melhor do que você, nosso leitor, para nos ajudar e garantir que a gente esteja no caminho certo. Substituímos temporariamente nossos comentários por uma pesquisa rápida para implementarmos mais uma melhoria. Como você acredita que nossa interação pode ser mais próxima aqui?

CLIQUE AQUI PARA RESPONDER