Mulher com câncer é indenizada em US$ 417 milhões por usar talco da Johnson
665
Compartilhamentos

Mulher com câncer é indenizada em US$ 417 milhões por usar talco da Johnson

Equipe MegaCurioso
Último Vídeo

Eva Echeverria, de 63 anos de idade, está há mais de 10 anos lutando contra um câncer de ovário. Agora, graças a uma decisão judicial do estado norte-americano da Califórnia, ela deverá ser indenizada em US$ 417 milhões pela Johnson & Johnson.

Em estado terminal, Echeverria postou um vídeo na internet, no qual disse que, por mais de 50 anos, fez uso do popular talco da marca para a sua higiene íntima. Segundo ela, foram os componentes do talco que desencadearam o câncer, e ela só interrompeu o uso do produto em 2016, quando soube do caso de outra mulher que também teve câncer de ovário pelo mesmo motivo.

Por concordar que há, realmente, uma conexão entre o uso do produto e o câncer de Echeverria, a Justiça ordenou que a companhia pagasse US$ 417 milhões à mulher, sendo que, desse montante, US$ 70 milhões correspondem a danos compensatórios – essa indenização é a maior já concedida nesse tipo de causa.

Preocupante

A Johnson & Johnson responde a diversos processos sobre seu talco e, em maio deste ano, foi condenada a pagar US$ 110,5 milhões a uma mulher de 62 anos, que também foi diagnosticada com câncer de ovário em decorrência do uso do mesmo produto. Em 2016, a companhia pagou US$ 300 milhões em danos para outros três casos semelhantes, no Missouri, nos EUA.

A defesa de Echeverria se pronunciou depois do veredito, dizendo que sua cliente espera que a marca ainda seja obrigada a colocar um aviso de precaução em sua embalagem, explicando que o produto pode provocar dano à saúde.

“Mrs. Echeverria está morrendo por causa desse câncer ovariano e ela me disse que tudo o que quer fazer é ajudar outras mulheres do país que também têm câncer no ovário devido ao uso do talco Johnson & Johnson por 20 ou 30 anos. Ela realmente não quer compaixão. Ela apenas quer passar a mensagem para ajudar essas outras mulheres”, declarou o advogado Mark Robinson.

A companhia afirmou, após a decisão judicial, que vai recorrer, pois “nós somos guiados pela ciência, que suporta a segurança do talco Johnson & Johnson”. Atualmente, a empresa enfrenta quase 5 mil casos similares somente nos Estados Unidos.

Embora não existam evidências científicas suficientes para relacionar o uso do talco ao desenvolvimento de câncer, a American Cancer Society relata que alguns estudos já sugeririam que o uso desse produto tem relação com o aumento do risco de desenvolver câncer de ovário em mulheres que aplicam o talco na região genital.

Você sabia que o Megacurioso está no Instagram, Facebook e no Twitter? Siga-nos por lá.