Por que dormimos menos conforme vamos envelhecendo?
864
Compartilhamentos

Por que dormimos menos conforme vamos envelhecendo?

Último Vídeo

Já reparou que, conforme as pessoas ficam mais velhas, elas parecem precisar dormir por menos tempo? Ao contrário de bebês, crianças e adolescentes, adultos mais maduros e idosos têm o costume de pular da cama bem cedinho, geralmente, mesmo quando não é necessário.

Ainda não se sabe exatamente por que isso acontece, mas um grupo de pesquisadores da Universidade da Califórnia realizou um novo estudo sobre o tema e, de acordo com eles, alguns mecanismos do nosso cérebro passam a funcionar de maneira diferente na medida em que envelhecemos e isso acaba mudando nosso ritmo de sono.

De acordo com o autor da pesquisa, Matthew Walker, “evolutivamente, o sono é a coisa mais estúpida que uma pessoa faria”. Ele explica que, enquanto estamos dormindo, não temos muita utilidade já que ficamos inconscientes e não interagimos com ninguém – além do mais, dormindo nos tornamos vulneráveis aos predadores.

Ainda que a natureza não pareça permitir que o sono seja eliminado de nossas vidas, ela parece ter nos conduzido a dormir menos, com o passar do tempo. A questão é que, para garantir o bom funcionamento do corpo e de cada parte dele, precisamos dormir e permitir que nossas células se regenerem.

zzzzzzzzzzzzzzzzzz

Pato Donald

Isso é tão verdadeiro que não são raras as pesquisas que mostram a relação entre a privação de sono e o desenvolvimento de uma série de doenças cardiovasculares, diabetes e, inclusive, obesidade.

A diminuição do tempo que se passa dormindo, principalmente quando ficamos mais velhos, parece ter a ver com uma perda de conexões neuronais no cérebro, modificando a forma como sentimos sonolência.

Experimentos que comparam essas conexões em camundongos jovens e velhos revelam que os receptores de sono continuam iguais – o problema é que a forma como eles recebem o sinal de sonolência fica mais fraca: “É quase como uma antena de rádio fraca. O sinal está aí, mas a antena simplesmente não consegue captar”, explicou o pesquisador.

Walker revela que esse estudo nos mostra que a privação de sono não é uma consequência do envelhecimento, mas sim que a falta de sono contribui para o envelhecimento em si, o que, segundo ele, pode fazer diferença na hora de pensarmos em novos tratamentos para pessoas com problemas para dormir.

Acontece com todos

Velhinha

É importante deixar claro que não são apenas pessoas idosas que começam a dormir menos – na verdade, começamos a acordar mais cedo voluntariamente por volta dos 30 anos, e a situação vai se atenuando conforme o tempo passa.

Quando uma pessoa chega aos 50 anos, ela terá cerca de 50% do sono profundo que tinha quando era 30 anos mais jovem. Até os 70 anos, o tempo de sono de qualidade vai diminuindo ainda mais, e acordar durante a noite acaba sendo algo cada vez mais comum, sendo, para Walker, uma das mudanças mais dramáticas que nos ocorrem com o envelhecimento.

Ainda não há muito que fazer sobre esse assunto, até mesmo porque há poucos recursos terapêuticos e medicamentosos para tratar esses receptores de sonolência – muitos dos remédios receitados para que pessoas mais velhas durmam são, na verdade, uma espécie de sedativo, que também não fazem com que a pessoa durma profundamente, como é o ideal.

Estudos sobre estímulos elétricos cerebrais têm mostrado eficiência em jovens adultos, que passaram a dormir melhor e profundamente. A esperança é a de que esse tipo de teste seja realizado em adultos velhos – por enquanto, métodos como a terapia cognitivo-comportamental apresentam resultados muito positivos nesse aspecto.

Esse tipo de pesquisa nos ajuda a entender, também, que é preciso valorizar nossas boas noites de sono e buscar dormir melhor. Para isso, é bacana evitar bebidas com cafeína a partir do período da tarde, buscar dormir em um ambiente resfriado e confortável, evitar consumir bebidas alcoólicas perto da hora de dormir e, claro, garantir que o quarto esteja escuro.

Você sabia que o Megacurioso está no Instagram, Facebook e no Twitter? Siga-nos por lá.