Seja o primeiro a compartilhar

Esqueleto de 5 mil anos seria de vítima de Peste Bubônica

Por meio de pulgas infectadas pela bactéria Yersinia pestis, a Peste Bubônica, popularmente conhecida como Peste Negra, dizimou 30% da população da Europa no século XIV — o equivalente a cerca de 200 milhões de pessoas.

No entanto, recentemente, o cientista Dr. Ben Krause-Kyora, chefe do Laboratório de Ancient DNA da Universidade de Kiel, na Alemanha, publicou um artigo científico em que apresentou um esqueleto de mais de 5 mil anos com a cepa da doença.

Conforme o artigo publicado na Journal Cell Reports, o esqueleto chamado "RV 2039" foi descoberto pela primeira vez no século XIX e desapareceu de maneira misteriosa por mais de um século. Assim que ressurgiu, a equipe de Krause-Kyora examinou-o em busca de traços de bactérias ou vírus.

Vestígio antigo

(Fonte: MedicineNet/Reprodução)(Fonte: MedicineNet/Reprodução)

Eles identificaram rastros da Yersinia pestis em um estudo do DNA do crânio e dos dentes do esqueleto antigo, indo contra os registros epidemiológicos que apontavam que a doença surgiu milhares de anos mais tarde.

“O que é mais surpreendente é que podemos atrasar o aparecimento da Yersinia pestis 2 mil anos além do sugerido por estudos publicados anteriormente”, explicou Krause-Kyora. 

Dessa forma, o cientista concluiu de que cada vez que passa as pesquisas estão mais próximas de encontrar a origem exata da bactéria.

(Fonte: DigiChat/Reprodução)(Fonte: DigiChat/Reprodução)

Krause-Kyora registrou que o "RV 2039" tinha cerca de 20 ou 30 anos e uma alta carga bacteriana da doença em sua corrente sanguínea, levando a entender de que a infecção pela Peste, transmitida através de um rato, foi o que causou a sua morte.

Ele conseguiu determinar que a bactéria que infectou o esqueleto ainda não havia desenvolvido a capacidade de infectar as pulgas, e que para contrair a doença os humanos precisavam fazer contato direto com o animal infestado. A descoberta fez ainda mais sentido porque o esqueleto "RV 2039" morreu sem infectar os demais que foram encontrados com ele.

(Fonte: Forbes Alert/Reprodução)(Fonte: Forbes Alert/Reprodução)

“Achamos que essas formas iniciais da Yersinia pestis não poderiam realmente causar grandes surtos”, disse Krause-Kyora.

Mas em 1346, a bactéria já havia sofrido mutações o suficiente para encher as pessoas de furúnculos carregados de pus, causando hemorragias e apodrecendo os órgãos em três dias, tornando-se a doença mais mortal que resultou em uma epidemia na história da humanidade.

Você sabia que o Megacurioso está no Instagram, Facebook e no Twitter? Siga-nos por lá.

Comentários

Você já percebeu que passamos por algumas mudanças por aqui, né? Uma delas é melhorar também o nosso campo de comentários - e nada melhor do que você, nosso leitor, para nos ajudar e garantir que a gente esteja no caminho certo. Substituímos temporariamente nossos comentários por uma pesquisa rápida para implementarmos mais uma melhoria. Como você acredita que nossa interação pode ser mais próxima aqui?

CLIQUE AQUI PARA RESPONDER