Millennials sofrem mais com esgotamento e burnout do que outras gerações

Os millennials, ou geração do milênio, têm mudado a forma como a sociedade percebe a saúde mental e fala sobre o assunto. De uns tempos para cá, o termo burnout — exaustão extrema relacionada ao trabalho — passou a ser frequentemente associado a esse grupo de pessoas nascidas entre os anos de 1980 e 1996.

Basicamente, por mais que se esforcem e ofereçam o melhor de si, os millennials ainda sentem que são alvo de cobranças absurdas (de terceiros e deles mesmos), as quais causam impactos negativos que vão além do ambiente profissional.

(Fonte: Shutterstock)(Fonte: Shutterstock)

Por trás do problema

Horas de trabalho mais longas, exigências cada vez maiores, cobrança de performance surreal no emprego e salários estagnados são alguns dos aspectos que fazem a geração do milênio apresentar taxas mais altas de burnout do que outras gerações.

Para muitos deles, o tipo de emprego que têm desempenha um papel significativo na saúde mental. Por isso, não é raro encontrar millennials que chegaram ao ponto de pedir demissão por questões de saúde mental.

(Fonte: Shutterstock)(Fonte: Shutterstock)

Por outro lado, mesmo considerando que uma parte significativa dessas pessoas não tem recursos para pagar um tratamento adequado e não conta com a compreensão dos seus locais de trabalho, esses indivíduos se mostram mais à vontade em buscar ajuda e fazer terapia em comparação com as gerações anteriores.

Outro fator de peso para o esgotamento desse grupo envolve a pressão por resultados. É nesse cenário que fica mais fácil notar que os millennials em cargos de gerência são os mais propensos a desenvolver algum transtorno mental. Muitas vezes, essas funções de importância para o funcionamento das empresas são ocupadas por pessoas jovens e, boa parte delas, foi promovida pela primeira vez na carreira. 

Como consequência, esses profissionais anseiam por mostrar que são capazes e desafiam a si mesmos na busca por um lugar de destaque — o que, normalmente, seria algo positivo, mas, ao ocuparem postos intermediários, os millennials são obrigados a assumir responsabilidades além das exigidas para o cargo. Sem contar os casos em que são forçados a assumir o erro cometido por funcionários subordinados e precisam lidar diretamente com a pressão dos superiores.

Maneiras pelas quais os transtornos mentais afetam a geração milenar

(Fonte: Shutterstock)(Fonte: Shutterstock)

Alguns dos pontos mais importantes nesse contexto, segundo pesquisas na área, são os descritos a seguir.

  • O estresse financeiro não apenas contribui para a piora da saúde mental como também significa que nem todos da geração do milênio podem procurar ajuda especializada.
  • Os millennials têm menos probabilidades de conseguir apoio social em comparação a outras gerações. Isso acontece porque tendem a se casar mais tarde e não são propensos a fazer parte de comunidades políticas e religiosas, por exemplo. Além disso, nem sempre encontram alguém para compartilhar o peso de seu esgotamento.
  • O desgaste mental da geração do milênio pode ser observado dentro e fora do ambiente de trabalho.
  • Em nível global, esses profissionais afirmam que a discriminação envolvendo doenças mentais é mais intensa e recorrente do que outros tipos de preconceito no ambiente de trabalho.
  • Metade dos millennials já largou o emprego em algum momento por questões de saúde mental.

(Imagem:Shutterstock)(Imagem:Shutterstock)

Para piorar a situação, uma pesquisa conduzida pela empresa de Recursos Humanos Paychex, apontou que mais da metade dos profissionais entrevistados afirmaram que seus empregos são a razão para problemas na saúde mental. Cerca de 56% dos funcionários disseram que os benefícios de saúde mental oferecidos pelas empresas são razoáveis ou ruins. Além disso, 45% dos supervisores nunca receberam nenhum treinamento sobre saúde mental. 

A situação é tão grave que o Fórum Econômico Mundial chegou a reunir especialistas na área para desenvolver um conjunto de ferramentas práticas para ajudar organizações a lidar com a saúde mental dos seus funcionários. Uma das observações mais importantes feitas pelos especialistas é que toda empresa deveria ter líderes cientes e treinados para lidar com questões como essa.

Você sabia que o Mega Curioso está no Instagram, Facebook e no Twitter? Siga-nos por lá.